quinta-feira, 28 de outubro de 2010

60 minutos

Otávio chegou ao lugar de sempre, na hora marcada. Raul já esperava por ele. Cumprimentaram-se com um aperto de mão, sem excesso de camaradagem. Alto, forte, maxilar quadrado, barba cerrada, sobrancelhas espessas, braços grossos com veias saltadas, Raul era tudo o que Otávio secretamente desejava ser. Otávio sorriu satisfeito ao pensar que, pela próxima hora, teria aquele belo espécime de macho só para ele.

Partiram logo para a ação. Afinal, não havia tempo a perder com conversas desnecessárias. Não era a primeira, nem a segunda vez; assim, a sintonia entre eles se construiu rapidamente. Otávio viu o quadril de Raul colocando-se por trás do seu e, ao sentir a respiração do moreno em seu cangote, teve um leve arrepio que eriçou os pelos de seus braços. Raul então passou a ditar as regras e conduzir os movimentos, e Otávio, obediente, deixou-se levar. O silêncio dos dois era ocasionalmente quebrado pelas palavras de comando de Raul, correspondidas por gemidos entrecortados que pareciam vir do fundo das entranhas de Otávio.

Aos poucos, o semblante de Otávio no espelho foi ganhando contornos de dor, de desespero. Raul não se abalou. Sabia que seu cliente estava ali para ir até o limite. Quando sentia que já não aguentava mais, Otávio emitia um apelo de misericórdia com o olhar, pedindo que parassem. Mas a trégua que o outro lhe dava não era suficiente para que ele se recompusesse, e logo o suplício recomeçava. Raul não tinha dó da agonia de Otávio, sabia muito bem o que tinha de ser feito, e não ostentava o menor sinal de cansaço. No fundo, era isso que fazia Otávio voltar sempre, pedindo mais.

Ao final daqueles 60 minutos, Otávio estava hecho un desastre, sentindo suas carnes ardendo em brasa e latejando. Não sabia nem como conseguiria voltar andando para casa. Raul já tinha recebido o pagamento combinado, e desapareceu. No dia seguinte, Otávio sentaria com alguma dificuldade. Mas não se queixava. Ele sentia que seu corpo precisava daquilo, ele precisava sofrer nas mãos daquele homem. Em quarenta e oito horas, ele sabia que estava fadado a voltar ao mesmo endereço, pronto para se entregar a mais uma hora de sacrifícios com seu personal trainer.

20 comentários:

Rafael disse...

Texto ótimo, aliás você tá de parabéns, esses textos/contos são muito bem escritos e trouxeram uma cara nova pro blog (não que ele estivesse datado, ok?).

Rodrigo Teixeira disse...

so hot

deco disse...

Belo conto. Siga em frente.Produza meis alguns para nós. Bjs

Wans disse...

Hahahahaha

Delicioso texto. Muito bem escrito, Thi.

bjão

S.A.M disse...

Liguei o ventilador aqui! rs

Rafa disse...

Uhu... faz calor no Rio agora, muito calor! Ótimo texto

Lobo disse...

Seus contos são muito bons... muito fácil de ser transposto e visualizado... curti muito.

E acho válido colocar um aviso no início "Leitura embaixo de um ventilador ou ar condicionado recomendada" XD

Marcus Lara disse...

Gosto dos nomes dos personagens, de onde vc tira eles?
São fictícios ou fazem ou ja fizeram parte da sua vida real rs?

Anônimo disse...

Haha, vou até voltar a malhar depois desta!!!

Anônimo disse...

HAHAHA, e pensar que eu fiquei de pau duro com a história...

uomini disse...

Muito bom!

Anônimo disse...

Cara, conheço o seu blog ha um bom tempo (mais de 1 ou 2 anos sei la). Confesso que nunca venho mto aqui, talvez uma vez por mes ou menos.

Mas hj tive vontade de vir e comentar. Só pra falar que apesar de nao ser um blog q eu visite mto, é fodastico, vc escreve bem pra caramba e suas ideia/contos/dicas sao sempre intligentes e coerentes.

Abraço,

Felipe

André Mans disse...

biográfico?

João disse...

Demais viu! Parabéns.

cronicas gulosas disse...

bom começo, ótimo final. ABS!

Leonardo Fernandes Ayres Belens disse...

muito bom!

Gilberto Scofield Jr. disse...

Adorei. O final é espetacular.

Lourival Lima Jr disse...

Já pensou em escrever um livro de contos?

Bjos.

Mateus disse...

ótimo, ótimo, ótimo!!!!
Certamente conseguiu confundir a todos!

Gurizão disse...

Bitch! Amei!