quarta-feira, 26 de setembro de 2007

As idas e vindas de Felipe

Felipe é gay, gosta de dançar e ir a festas, mas sempre teve um problema com boates gays: ele detesta música de divas, tipo bate-cabelo. Por essa razão, quase não ia à Level e, mesmo na The Week, só ficava satisfeito quando vinha algum DJ de fora que fugisse desse estilo, ou quando os residentes tocavam mais pesado. Todas as vezes que o Offer Nissim veio tocar, ele ignorou solenemente. Achou até graça quando os amigos, indignados, reclamaram que da última vez a biba tocou "Joe Le Taxi" no meio do set, cortando a onda de todos. Bem-feito, pensou.

Offer está voltando para o aniversário da TW, e dessa vez Felipe resolveu ir à festa. Não ia dar muita confiança pro DJ, mas também não ia deixar de curtir o basfond. Gente do Brasil inteiro está chegando para bater cabelo ao som daquela cruza de Marília Gabriela e Danuza Leão, e Felipe viu nisso uma oportunidade de se divertir de um jeito diferente do que estava acostumado. Ao invés de se plantar na frente do DJ, ficar cultuando seu som e não dar bola para o mundo à sua volta, ele iria circular bastante pelo clube, ferver e socializar com os amigos e também aproveitar a oferta de caras e corpos de fora. Dane-se o DJ: uma boa festa é mais do que isso, e ele não iria ficar em casa só de birra, enquanto o resto da humanidade gay se divertia.

Mas Felipe não tratou a festa com a seriedade das Nissimaníacas. A boiada avançou sobre os ingressos assim que eles começaram a ser vendidos; ele tinha mais o que fazer e deixou passar. Quando resolveu comprar, descobriu que não dava mais tempo de usar seu cartão Gold, e sem o cartão o preço já estava em $80. Felipe achou um absurdo pagar esse valor por um DJ que ele não achava melhor do que o Paulo Ciotti, e ficou puto porque a TW não abria a bilheteria à tarde para ele usar o cartão. Desistiu de ir. Depois pensou, pensou, e viu que choramingar por $10 era muita penosidade - a festa não valia o que estava custando, mas ele já tinha feito extravagâncias muito maiores. Meio contrariado, reconsiderou: a vodka o ajudaria a achar tudo lindo.

Felipe ia tocando a semana do jeito de sempre, tentando fazer vista grossa para as coisas chatas da vida, quando uma coisa muito legal aconteceu com ele. Uma coisa tão legal, mas tão legal, que de repente o oba-oba em torno da festa do Offer não tinha mais nenhuma importância. Caras novas e corpos ovulantes iriam bombar a cidade, mas a novidade que apareceu em seu caminho o deixou tão encantado, tão saciado e tão pleno de si, que dificilmente os tais $80 trariam prazer maior para ele. Voltou a dar de ombros para a festa. Não faria sentido ficar se espremendo na liquidação do supermercado, se ele já tinha um peru tão saboroso na geladeira de casa.

Essa decisão prevaleceu até a manhã de hoje. Felipe estava fazendo sua série de musculação, quando começou a tocar no som da academia uma música bastante conhecida de uma cantora adorada pelos gays. E então uma inesperada mágica aconteceu: Felipe começou a cantar junto, bater o pé e, quando deu por si, já estava praticamente dançando na frente do espelho, sem se importar se alguém estava olhando. Foi aí que Felipe decidiu, finalmente, que iria à festa do Offer, sim. Ele sempre achou aquelas músicas bagaceiras, mas elas também eram músicas de gente feliz. E, naquele momento, ele estava preparado para dançar e rebolar até o chão.

20 comentários:

Tony Goes disse...

Você esqueceu de dizer que o Felipe tem um blog chamado Introspecfeve.

Lindinalva Zborowska disse...

A mágica do bate-cabelo!! A feiticeira Miojo Lamen ao contrário faz mais uma vítima. Mas fala pro Felipe ir com calma, senão ele pode virar drag nos próximos meses e começar a ir na boate todo montado, roupa tipo Flashdance, polâinas com salto alto e um perucon leeeendo!! Um beijo e me liga!!

italo disse...

Espero te ver na pista Thiago. Beijos. E quem sabe, faz a hora não espera "o vip" acontecer.

Ivo disse...

Adorei, criança! Nos vemos lá!

Alexandre Lucas disse...

Adoro crises existenciais :)
Adorei o texto ;)

FABIANO disse...

Qualquer semelhança entre mim e Felipe não é mera coincidência, rsrs... E, como ele, comprei meu convite na segunda, mas diferente das outras, não estou ansioso pela noite de sábado!

Notivagus sp. disse...

Adooooooooouro o despertar de uma ninfa-nissim....eu sei, eu sei amigo, que é doloroso, penoso e desgastante....mas quando estiver lá no meio do seus amigos, nas alturas com sua amiga v*o*d*ka, verá que o que vale a pena nessa vida é o agoura...portanto, cuuuuurta muito esse momento de ótimas energias.....bjs!

Anônimo disse...

Tudo bem que o Felipe (Magalhães?) resolva ir na festa pela ferveção, pelos "corpos ovulantes" e pela vodka.Mas, porque um dia acordou e resolveu que o Offer Nissim toca músicas de "gente feliz", ai ele forçou a barra.
Confesso que gosto de alguns vocais, mas a forma que ele faz é deprimente.
A idéia do post foi boa, mas os detalhes dos 80 reais e da academia ficou um tanto piegas.
Na boa, sanduíche até vai mas Offer nissim engasga.
De qualquer forma, aproveita a festa.
Suppress
FXXXX

introspective disse...

Não achei que um simples conto fosse render tantos comentários... que legal!

Will disse...

Amei, Thi!! Criatividade lhe sobra!!
Maleabilidade é tudo pra gente ser feliz!!

"Felicidade se acha é em horinhas de descuido."
João Guimarães Rosa

Beijão e até sábado!!

Antonio disse...

Adorei!! Felipe enfim se libertou de algumas amarras sem sentido e resolveu ser/estar feliz...!!
aproveite!!!
bjos

Clebs disse...

Eu tb vou fazer o coro do "adorei"...Total superação de preconceitos ou talvez gosto! hehehehe..

Abração!

uomini disse...

E fala pra "Felipe" se jogar *horrores*! Bjus.

anti-tribal-vomito disse...

Tou curioso pra saber o que Felipe vai achar de tudo no dia seguinte...

Gui disse...

Eu aposto que Felipe volta jogando a peruca.
Aproveite, bee.

(E quanto a joe le taxi, faça igual a mim: cante a versao da Angelica junto com o Offer. Tao mais dvertido...)

Mario disse...

Oi, Intro, vi seu post no meu blog e vim aqui te visitar. Obrigado por incluir meu link nos seus favoritos. E, sim, vc matou na mosca a história da Vieira de Carvalho. Sobre a outra magazine, vc vai ver que meia hora é muito tempo pra ler o conteúdo e a gente sai de lá do mesmo jeito que saiu, sem saber nada de novo a respeito de nada. OU seja, mais do mesmo. Falo como consumidor (um abuso cobrar R$ 12,00 por uma publicação que promete e não entrega) e profissional da área tb. Enfim, vamos trocando figurinhas. Eu já conhecia seu blog de outros caranvais porque certa vez vi uma post de turismo que achei interessante. E sobre a moçada que não entende os DJs gringos, só posso dizer que já passei dessa lição. Faz tempo. Saudações blogueiras. MM

Clebs disse...

Será preciso um outro post sobre os comentários de "Felipe" sobre a noite, não acha!?

=P

Anônimo disse...

Thi,
De fato, é mesmo um "simples conto". Agora me conta os "fatos"...
A Felipe quebrou tudo ontem?
Suppress
FXXX

charles disse...

adorei te conhecer... pena que foi curto, pois quis aproveitar da noite, entao me joguei muito rapido, e rapidamente nao dei muita conta de nada... mas tudo bem... deixamos pra proxima vez...

emquanto a offer, ela toca sopa comercial, mas nao e isso que importa. o que importa e que so ele consegue atrair os mais gatos do brasil inteiro, e providenciar essa energia incrivel. depois, pra quem quiser curtir tbm a musica, sabemos o que tem que fazer...

Giant Man disse...

Td bem Thiago?
Ótimo o post... assino embaixo, exceto a parte de ter mudado de idéia.
Sempre bom passar por aqui e ler as reflexões... concordando ou não, dão uma atiçada na cabeça.
Abraço!