quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Imparcialidade, boa vizinhança e rabo preso

A busca da imparcialidade é provavelmente o maior desafio de um veículo de comunicação. Os leitores mais inocentes acreditam que tudo que lêem é resultado direto de uma apuração descomprometida e uma avaliação sincera por parte do jornalista. Mas nem sempre isso é verdade. A publicação de uma notícia, resenha ou crítica mexe com tantos interesses que, muitas vezes, existe um verdadeiro "tráfico de influências" nos bastidores, que acaba sendo decisivo na direção que uma matéria vai tomar.

Guardadas as devidas proporções, essa problemática também afeta o blog. Especialmente quando ele faz crônicas sociais e seu dono está inserido demais no meio que comenta. Quando o blogueiro é conhecido por todos, as relações de amizade e interesse que ele constrói podem comprometer sua liberdade de opinião. Quando deixa de ser mais um na multidão e vira uma pessoa pública, mesmo que não queira prestar contas das suas palavras (e dos seus atos), o meio passa a cobrar isso dele.

Aí, das duas, uma: ou ele se mantém fiel à proposta de falar o que pensa, aceitando que fatalmente não vai agradar a todos, ou então vende a alma ao diabo e assume o posto de Miss Simpatia. Ser o paraninfo da turma tem muitas vantagens, mas também algumas desvantagens. Várias portas se abrem - talvez até fosse isso que ele queria quando começou a escrever. Por outro lado, ele de certa forma deixa de ser dono do seu espaço virtual. Não existe popularidade grátis.

Entre soltar fogo pelas ventas e fazer média com o mundo, a melhor saída não é nenhuma das duas, mas buscar o equilíbrio. E, para essa mistura fina, cada um tem sua receita. Blogueiro feliz é aquele que sabe dar seu recado com elegância, sem ser inflamado demais. Conforme o caso, fala bem sem virar o amigo da garotada e fala mal sem soar azedo e mal-comido. Procura ser justo com os outros, mas sabe que aquele espaço existe justamente para ele mostrar sua opinião. E não deixa de ser fiel a ela jamais. Afinal, sendo autêntico, não agradará sempre, mas será respeitado. E, sendo bom no que faz, terá admiradores: uma opinião bem defendida é sempre prazerosa de se ler, mesmo quando não é igual à nossa.

20 comentários:

Leandro disse...

E uma opinião bem defendida é sempre prazerosa de se ler...

Tony Goes disse...

Sempre achei que ia escrever o que bem entendesse no meu blog, sem papas na língua e duela a quien duela. Mas às vezes me pilho em plena auto-censura, mais para não machucar alguém do que qualquer outra coisa.

uomini disse...

Não sei Thi... Vc sabe que não gosto de um mundo em tons pastéis! O que seria da realidade sem as paixões, sem a clareza, sem o luminoso e escuro?
Até concordo que "bom senso" é um tempero super palatável, mas às vezes as *comidas apimentadas* são as melhores! Excelente reflexão, mas fica a antítese! Bjus. Cris

hotspot_fortaleza disse...

SEMPRE COM ÓTIMOS TEXTOS

BJIM

*´¨)
¸.·´¸.·*´¨) ¸.·*¨)
(¸.·´ (¸.·` (¸.·` ¤.¤ HOTSPOT FORTALEZA ¤.¤
http://hotspotfortaleza.blogspot.com/

Alexandre Lucas disse...

Gostei do post, mas procuro não ser muito politicamente correto. Também não curto, como o Cris, o mundo em tons pastéis... :)

Gui disse...

Concordo, tem que haver uma mistura de tudo.
Quem só critica fica parecendo ranzinza, quem só elogia fica parecendo miguxa.

Mas é bom não ter rabo preso e poder falar de tudo, ne?

Alex disse...

a internet nos proporciona agradaveis e deliciosas surpresas como os seus textos...não consegui parar de ler!
quando eu crescer quero ser igual a vc! rsrsr
um abraço

Neto disse...

Lindinho... hoje eu vejo ainda mais como e importante o papel da imprensa politicamente. Nao em seu habitual uso parcial e tendencioso durante eleicoes ou para construir ou derrubar nomes ou pessoas. Nada e perfeito nesse mundo. Porem um papel pela qual foi criada, a transmicao de informacoes pura e simples voltada a formacao da opiniao publica. Creio piamente que a sustentacao democratica no nosso pais se deve a imprensa. Quanto ao tema do post eu nao acredito em imparcialidade e nao acho que seja algo ruim. Para um jornalista filtrar um fato ao ponto de tornar-se imparcial ele praticamente tera que atingir uma esterilidade mental que nao e desejada. Devemos lembrar que uma reportagem nao tras somente informacoes sobre um terceiro evento narrado, mas tambem sobre quem o escreveu. Assim que o leitor entender melhor como pensa a pessoa do jornalista ele tera como entender o evento per se. A respoonsabilidade cai sobre os dois polos jornalista e leitor. Na minha opiniao o importante e que a informacao corra mundo a fora. Se parcial ou nao, se foi algo diferente que aconteceu a verdade acaba aparecendo. O que vale e que quem estiver interessado em descobrir tenha como coletar o maior numero de dados possiveis. Esse e o grande papel da media, informar de varias formas e o do leitor de nao ser inocente em acreditar que imparcialidade e possivel.

ludo diniz disse...

Seu post veio em ótima hora, afinal, no dia seguinte começou a confusão com o papel pobre, e revela muito disso.
Com medo das consequencias, e talvez até mesmo com o risco de abaixar a qualidade dos seus posts, já que agora saberiam quem era, eles preferiram acabar com o blog, por sinal ótimo.
Parabéns pelos seus textos, contextos e pretextos.

Lindinalva Zborowska disse...

Quiridinho! Blog é parcial por definição. Não existe blog imparcial e blog é blog, não é imprensa. São duas coisinhas diferentes. Lembrando sempre que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Não pode confundir. Mas ã macacada... ai.. esquece a macacada que é tudo um bando de analfabetas funcionais. Um beijo e me liga!!!

introspective disse...

Lindi fofucha, vc não me entendeu. Claro que blog é opinião, eu reconheço isso ao longo do meu post. O que eu discuto é a isenção que alguns blogs deixam de ter, quando vendem suas opiniões por motivos escusos. Mas concordo com vc que o analfabetismo funcional é tendência, infelizmente. Beijo nos cafuçus de Piraporinha!

Alberto Pereira Jr. disse...

sim, não existe imparcialidade jornalística, nem imparcialidade na blogolandia.. e acredito que se usamos o espaço para emitir a nossa opinião nad amais justo do que fazer dizendo o que se acredita correto. O espaço dos comentários estão ai para que saibamos a opinião dos leitores.. não sou a favor de médias...

KENTO disse...

Até acho que possam existir blogs imparciais. Mas imprensa? Ainda procuro algum órgão da grande impresa que o seja. Todos têm donos, que são políticos, ou que têm interesses políticos. Alguns devem bilhões em impostos ( dos quais costumam reclamar em constantes matérias, mesmo que não o paguem), então precisam puxar saco de quem lhes convém.
Esse problema da parcialidade atinge até o orkut. Eu participei ativamente 3 anos de uma comunidade da qual eu era moderador e me retirei esses dias pois nao concordo com algumas coisas. Nesse exemplo a comunidade era de um site, que por sua vez produz uma festa. Quem teria coragem de falar mal de algo da festa ( cujo propietario é o site) ? Seja um grande órgão de imprensa com interesses políticos como a FOLHA de S.PAULO, seja um simples site sobre baladas, TODOS DEFENDEM INTERESSES PRÓPRIOS!

CARIOCA VIRTUAL disse...

POST ÓTIMO!

cam.brz disse...

sempre é muito bom ler seus posts.
grande polemica sobre a etica nos blog, valew o texto!

Bruno Chagas disse...

Qual o link RSS do seu blog?
abs.

Bruno Chagas disse...

ops. Achei! Tks...

Anônimo disse...

O problema de ficar com o rabo preso é perder a autenticidade.
O Kibeloco era engraçado, hoje nem acesso mais.
O PapelPobre, blog favorito de 9 a cada 10 pessoas que conheço, era ótimo por ser espontâneo. Fiquei sabendo que um portal tava querendo conversar com os caras. E eu fico pensando: se isso acontecer, vai ter a mesma espontaniedade?
Aproveitando, vou falar o que acho mais engraçado nessa história toda: a Spaca, que fodeu com a vida do Pobre, também gonga os outros. Só muda o target. Ao invés de gongar os famosos, faz isso com as pessoas que ela acha brega.
Como uma blogueira, que faz exatamente a mesma coisa com o outro blogueiro, me faz uma coisa dessas?
Essa história de dizer que tava defendendo o amigo do Pop não colou. Pra mim, doía muito nela o sucesso do Pobre. Pura mágoa.
Triste.
O que me deixa feliz com isso é saber que não adianta uma pessoa tentar ofuscar o brilho da outra, pois ela pode conseguir uma vez, mas o brilho vai continuar lá.
Talento é uma coisa que você nasce com.
Abraços a todos os blogueiros.

Giselle Gray disse...

Ainda não desisti!!!
Quero a Katy back!

Campanha Volte Diva Katy
http://katylenebeesmarcky.blogspot.com/


kisses

Anônimo disse...

Oi Thi,
Adorei a observacao do Cris sobre "tons pasteis"!!
Tambem nao curto...
E vivendo nos EUA to cheio do "politicamente correto".
Mas continuo lendo seu blog (-:
Suppress
see you soon
FXXXXXX