quinta-feira, 20 de março de 2008

Curitiba, boa opção para um feriado diferente

O feriado de Páscoa está aí e, como de costume, o Rio de Janeiro promete praia e uma programação noturna animada (agenda completa no Cena Carioca). Por outro lado, se você já está meio cansado de ir às festas de sempre e encontrar as mesmas pessoas, ou está numa fase um pouco mais tranqüila, Curitiba pode ser um passeio interessante. Para quem está em São Paulo, a capital paranaense é mais próxima do que o Rio e tem ponte aérea pelo mesmo preço - mas muitos se esquecem dela. Não deveriam. Curitiba tem parques lindos, comida excelente a preços menores do que os de SP e uma noite até bem diversificada. Além disso, começou ontem a 17ª edição do Festival de Teatro de Curitiba - que terá diversas peças escritas por dramaturgos gays ou relacionadas ao universo homossexual, e deve trazer um agito extra para a cidade.

O BRASIL QUE FUNCIONA
Já virou clichê falar que Curitiba é a capital mais evoluída do país, mas esse papo não é balela - tudo funciona direitinho por lá. A cidade é limpíssima (se bobear, o assento do banheiro público tem cheiro de tutti-frutti), o transporte público é modelo e as pessoas são educadas. Para o turista, esse banho de progresso significa ter à mão mapas de bolso com as ruas e atrações da cidade (coisa que Rio e São Paulo jamais se dignaram a fazer pelos seus visitantes) e até uma linha de ônibus (a "Jardineira") que percorre todos os pontos turísticos a intervalos regulares - a exemplo de grandes capitais como Londres, Nova York e Madri. A geografia turística da cidade é fácil - com o centro e os bairros nobres no meio e os parques no entorno - e a segurança, se já não é mais a mesma de vinte anos atrás, não chega a ser uma preocupação.

A CAPITAL DOS PARQUES
Enquanto o Rio ferve na praia e São Paulo vive uma intensa programação cultural, Curitiba é a capital dos parques. Há muitos e de todos os tipos, espalhados pela cidade. O Jardim Botânico, com sua estufa de vidro e suas alamedas em estilo francês, é o símbolo da cidade [foto acima]. O Barigüi é o Ibirapuera local: onde as pessoas vão para fazer esporte, tomar sol nos finais de semana e também ver e serem vistas. O Bosque Alemão tem uma trilha onde é contada a fábula de João e Maria, além de um pequeno mirante e uma lanchonete com tortas alemãs deliciosas. E tem ainda os parques Tanguá e Tingüi, o Bosque do Papa, a Ópera de Arame... Muitos bairros têm bastante verde e um clima relaxante, com cara de subúrbio americano - quem conhece Montreal terá uma sensação de déjà vu ao andar no Bigorrilho (que foi rebatizado de "Champagnat" pelo mercado imobiliário) e nas Mercês. Para completar, todas as facilidades de uma cidade grande estão lá, com bons shopping centers, a multimarcas Capoani, que vende todas as grifes de luxo adoradas pelos gays (Diesel, D&G, Prada, Armani), além de ótimos restaurantes, que são uma atração à parte.

PARAÍSO GASTRONÔMICO
Se Curitiba não é a terceira maior cena gastronômica do país, deve estar perto disso. Há bons representantes de várias nacionalidades: italiana, francesa e japonesa, mas também tailandesa e até polonesa (há muitos descendentes no Paraná). Em alguns restaurantes, a própria beleza do ambiente é um destaque, caso do contemporâneo Zëa Mais, do tailandês Lagundri, da pizzaria Gepetto e da churrascaria Grimpa Steakhouse. Além desses, outros lugares recomendáveis são o japonês King Temaki (dá de dez em qualquer temakeria do eixo Rio-SP e fecha bem tarde), a cantina Barolo, a hamburgueria Mustang Sally e as pizzarias Carola D.O.C. e Avenida Paulista. Mas meu favorito pessoal é, de longe, o Babilônia & Cia. Versátil e despretensioso, faz pratos asiáticos e também uma saborosa comida de bistrô (dois destaques: o risoto spoleto, feito no vinho, com tiras de filé mignon, shiitake e radicchio, e o frango dijon). Abre 24 horas, tem preços honestos e é um concorrido ponto de encontro. E para as comidinhas e guloseimas, entre os inúmeros cafés e padarias charmosos da cidade, indico a Prestinaria, com boas quiches e doces.

E TAMBÉM DÁ PARA SE JOGAR
Curitiba tem a melhor noite entre as capitais do Sul. No meio gay, cada dia da semana tem seu clube. Os mais guerreiros começam a jogação da semana já na quinta, na Cat's - que tem três andares, freqüência pra lá de eclética (de novinhos e fag hags a cafuçus e micheles) e um perigón bem abusado no subsolo. Sexta é dia de Twiga (com dois andares e freqüência bem jovem) e sábado, de Black Box (conhecida apenas como "Box", um caixote preto com som alto para o povo perder a linha). O bar-com-pistinha Side Caffe é meio bagaceiro, mas faz bons drinks e pode ser uma opção de esquenta se você não for convidado para um chill in na casa de alguém. Vale dizer, porém, que os curitibanos são bem discretos - muitos preferem se jogar em outras cidades. No meio eletrônico, os clubes Liqüe e Vibe recebem top DJs de house e progressive como John Digweed e Deep Dish - no entanto, se tiver alguma coisa boa rolando nos clubes de Santa Catarina, é para lá que o pessoal vai. A cena indie tem um povo bem estiloso e animado. Adorei o Wonka, um clube no estilo d'A Lôca, 100% autêntico, com estampas coloridas incríveis nas paredes do bar, a pista bombando no porão e um público com atitude bem bacana. O James reúne os modernos da cidade, interessados em ouvir cruzamentos de rock com eletrônica. E, last but not least, o Kitinete [foto à esq.] é um barzinho fofo, fofo, fofo - acho que o mais fofo que eu já vi. Se pudesse, eu comemoraria todos os meus aniversários lá.

[ENDEREÇOS Restaurantes: Avenida Paulista. Rua Emiliano Perneta, 680, Centro. Babilônia & Cia. Al. D. Pedro II, 541, Batel. Barolo Trattoria. Av. Silva Jardim, 2487, Água Verde. Carola D.O.C. Al. D. Pedro II, 24, Batel. Gepetto. Al. D. Pedro II, 390, Batel. Grimpa Steakhouse. Rua Comendador Araújo, 671, Batel. King Temaki. Rua Gutemberg, 17, Batel. Lagundri. Rua Saldanha Marinho, 1061, Centro. Mustang Sally. Rua Coronel Dulcídio, 517, Batel. Prestinaria. Rua Euclides da Cunha, 699, Bigorrilho. Zëa Mais. Rua Barão do Rio Branco, 354, Centro. Noite: Black Box Club. Rua Mateus Leme, 585, Centro. James. Av. Vicente Machado, 894, Batel. Kitinete. Rua Duque de Caxias, 175, São Francisco. Liqüe. Av. Vicente Machado, 866, Batel. Side Caffe. Al. Cabral, 613, Centro. Twiga. Av. Vicente Machado, 1082, Batel. Vibe. Rua Desembargador Motta, 2311, Batel. Wonka. Rua Trajano Reis, 326, São Francisco. ]

[Post atualizado em 22.11.2009]

19 comentários:

Paulo Faysano disse...

Muito bom teu blog, Thiago! Não tinha tido tempo de parar e ler vários posts como fiz agora! Curti, já foi adicionado aos favoritos!! ;-)

abração!

Anônimo disse...

PENA QUE OS CURITIBANOS SÃO BEM ENCRENQUEIROS NE? PELO MENOS OS QUE EU CONHECI SÃO.......HEHEHEHE

Clebs disse...

Morei em CWB quando o Passeio Publico era legal!

E foi lá que comia o melhor creme de milho da minha vida!!!

Boa Páscoa e feriado!

Anônimo disse...

VC SEMPRE GENTIL..ADOREI O TEXTO, MAS OS CURITIBANOS SAO MUITO METIDOS A BESTA ( FALO EM ESPECIAL DAS BILS)

Estefanio disse...

Uma vez eu vi uma entrevista de um ex-prefeito de lá, o que mandou fazer a estrutura de cristal do Jd Botânico, o cara é um gênio! Maaas no feriado nada de Rio, SP e Cwb, o negócio é se aventurar no suburbio carioca pra fazer vc sabe o que!
Aisho digno!

R. disse...

Ficou ótimo e completo. Que trabalhão, hem?
Do mundinho indie faltou vc citar o James, que nas quarta feira já virou um clássico das indie-franjão mais novinhas...
E dos clubes GLS, recentemente abriu a Living que tem um tamanho parecido com o Meet.
MUAH!

Carlos disse...

Obrigado pela visita no meu blog(zinho).
Seu blog é sensacional.

Vini disse...

Eu e meu namorado passamos a semana santa em Curitiba, fomos quarta e voltamos sábado. Quatro dias e faltou tempo. A cidade é maravilhosa, pessoas educadas, um atendimento ímpar. A manutenção dos pontos turísticos, dos jardins e do transporte coletivo é impressionante. Vale a pena conhecer.
Realmente você fez um trabalho completo. Parabéns pelo blog.

beto disse...

oi, bem interessante seu guia sobre Curitiba.
tem muita coisa boa lá, mas não é primeiro mundo...
passou a ter trombadinha, moleque cheirando cola no centro, ou seja, tudo que tem no resto do país... então, olho vivo, como em qualquer cidade desse porte.
e sobre os nativos: bem, são muito reservados, Ctba é uma cidade onde as pessoas não recebem de braços abertos os "estranhos". mas, depois que se conhece as pessoas, tem gente boa e ruim como qualquer lugar!

Dana disse...

só esqueceu de dizer que Curitiba tem um item a mais que não existe nas outras cidades... EU!!!
Beijokas e Saudades, Dana

Too-Tsie disse...

Eu compartilho da opinião do beto.
Curitiba na minha infância era diversão na certa. Depois de adulto, fiz uma excursão com os amigos para desvendar a noite. Foi bem divertido mas os curitibanos não são nada receptivos.

Ano passado, fui com o namorado e ele achou tudo lindo, visitamos os principais pontos com a Jardineira, comemos super bem. E realmente, apesar da modernidade e civilidade, tem perigo sim, então, olho vivo.

Beto disse...

Saudades de lá.... Beijos

Anônimo disse...

BOX (ENDEREÇO CERTO) R. MATEUS LEME,585 ATRÁS DO SHOPPING MULLER.
SITE www.box-club.com

introspective disse...

Corrigido, Anônimo!

Jarbas disse...

amo curitiba!
um dos melhores lugares do mundo!

Jarbas disse...

amo curitiba!
um dos melhores lugares do mundo!

Anônimo disse...

faltou falar do slainte|!!!

um pub irlandes fantastico...
slainteirishpub.com.br

Luiz disse...

Em Curitiba tudo funciona, foi o que sempre me disseram. E sempre tive muita curiosidade de conhecer o que tanto aplaudiam até que pintou a oportunidade. Meu Deus! Tudo funciona tão bem, tudo é tão bem sinalizado que a impressão que tive foi que assim é para que nenhum turista tenha que se comunicar com os nativos. Que povo grosso! Depois do segundo dia, o lugar que mais tive vontade de frequentar foi o quarto de hotel. Não passo por lá nem por decreto.

Diógenes de Souza disse...

Passei uma semana na cidade e fiquei com gostinho de quero mais. De fato já haviam me alertado sobre uma certa 'frieza' ou 'achismo' dos curitibanos. A experiência que tive foi totalmente contrária: as pessoas não se limitam em lhe fornecer quaisquer informações que sejam e a paquera nas baladas, em especial as GLS, rolam como em qualquer outra cidade.

Este guia me ajudou bastante, mas também precisei da forcinha de um grande amigo que mora por lá. Os restaurantes são ótimos e esse rizoto indicado por você, Thiago, é maravilhoso. Devo destacar o rodízio do Velho Madalosso, que fica em frente ao novo Madalosso - considerado o maior restaurante do mundo -. Unma comida com um preço hontesto e que é deliciosíssima.

O Batel eu considero como a malhor região da cidade. Fui no Soviet, no Yankee, no Mustang, no Guantanamera e nao me arrependi. Quem for lá não pode deixar de visitiar, além da Box, a Twiga. São as melhores baladas GLS que ja fui na vida.

Acabei falando demais. Acho que minha ida ale uma postagem tb no meu blog.

Abraço.