domingo, 1 de fevereiro de 2009

Jungle Party: a festinha barata saiu caro

Finalmente um domingo de muito sol, desses com cara de verão. A piscina do meu prédio estava convidativa e eu poderia (deveria, aliás) ter ficado por lá, dando conta das leituras atrasadas da semana, sem gastar um centavo nem ter dor de cabeça. Mas fiquei sabendo que a Jungle Party - uma dessas label parties da segunda divisão que esporadicamente animam o domingo das mais fervidas - iria rolar num belo sítio, com três piscinas. Faltava um empurrãozinho para que eu me animasse a conhecer a festa; as últimas edições não ajudaram muito, já que foram feitas no antigo Piranha, em Perdizes (espaço sem graça, que deixa qualquer festa com cara de after). Mas desta vez, o babado era ao ar livre, com cara de pool party, e o dia estava lindo. Parecia irrecusável.

Depois de um bom perrengue para chegar (já que a rodovia Anhanguera não tinha nenhum tipo de sinalização na saída correta para a festa), me deparei com uma enorme fila de carros na entrada do tal "Clube de Campo". O estacionamento foi toscamente improvisado na parte da frente do sítio. O terreno, bastante acidentado e irregular, era nitidamente insuficiente para o público da festa. Para aproveitar o espaço, a produção mandava os convidados espremerem seus carros uns aos outros ("encosta o máximo que puder, chefia!").

Só que os creiços não tiveram a presença de espírito de deixar um espaço que servisse de passagem entre as diversas fileiras de carros. Ou seja: quem parou nas fileiras de trás acabou ficando preso. Quando me vi nessa situação patética, saí do carro e rodei a baiana. Aí um cara do staff disse que havia sim uma saída "pelos fundos" e foi me mostrar. Ele me fez ir até o final do terreno (enquanto cascalhos e pedregulhos iam riscando a lataria e pedras raspavam na parte de baixo), fazer uma curva ninja e jogar o carro em cima de um monte de terra bem mais elevado, único espaço disponível. Não deu outra: o carro atolou ali. A cena que se seguiu beirava o ridículo: eu acelerando em falso, enquanto o cara empurrava e tentava desentalar o carro. Ainda tive que fazer um caminho de rato maluco, costurando em ziguezague entre brechas mínimas de outros carros, para conseguir escapar dali.

Quando cheguei em casa, fui coroado com o desgosto derradeiro: o carro, que eu havia pego emprestado da minha mãe, estava com a tampa do porta-malas amassada. Poderia ter sido alguma bilu dando ré com o carro de trás e levando ao pé da letra a orientação para encostar "o máximo que puder". Mas o mais provável é que tenha sido o próprio funcionário da festa: enquanto empurrava o carro e tentava resolver a encrenca que ele mesmo havia criado, ele amassou a lataria e ficou quieto. A mim, resta amargar o prejuízo: é inútil reclamar com os responsáveis pela Jungle, pelo simples fato de que não tenho como provar nem mesmo que estive na festa, e menos ainda que o meu carro foi danificado ali. Eles foram profissionais apenas na hora de cobrar R$15 para que eu pudesse usar o "estacionamento".

Eu saio de casa para me divertir, não para achar defeito em tudo. Fui conhecer a Jungle com a melhor das intenções, animado com a idéia de prestigiar um projeto alternativo, feito por pessoas diferentes daquelas que ocupam a liderança da noite gay. Fiz vista grossa para uma série de coisas, procurei enxergar tudo pelo lado mais positivo possível: o público é "democrático", o som é "descompromissado" e por aí vai. Mas minha capacidade de ser Poliana chegou ao limite. Com o aquecimento do mercado, nossa cena já está grandinha o suficiente para exigir dos produtores um mínimo de profissionalismo. Dos amadores que quiserem se aventurar, espera-se que tenham, ao menos, respeito pelo consumidor. A Jungle não me pega mais.

24 comentários:

Celso Dossi disse...

Ué, não entendeu o nome da festa?
Na selva o carro atola mesmo. ;)

isadora disse...

Credo, que buraco! Sucessão de desastres, hein?

Paulo disse...

Na The Week, a "primeira" divisão, o cara do estacionamento arrancou sei lá como um pedaço interno da porta do motorista. E eu tava lá. É responsabilidade de quem presta o serviço de estacionamento, mas não tem dessa de transformar a festa inteira num único problema que te aconteceu. O que aconteceu na Jungle pra você, aconteceu na The Week pro meu amigo. E é claro que tanto a Jungle quanto a The Week não tem a menor intenção que esses problemas aconteçam. Mas também não tem como ter certeza que não irão acontecer. E o cara que amassou seu carro, fez errado, mas não era com intenção de te prejudicar.

Rico E disse...

Queridão, tem um post novo sobre a Chanel, quando puder apareça!
Besos,

Anônimo disse...

Como se na TW não rolasse elza e segurança que toma colocação pra vender de volta

introspective disse...

Não estou dizendo que não rola em outros lugares. Em qualquer lugar que aconteça, é um desrespeito e um prejuízo que deve ser indenizado. E a constatação (um tanto óbvia) de que o cara não fez por mal e não quis me prejudicar não exime a ele e nem à festa da responsabilidade. Do contrário, qualquer imbecil que provocasse um acidente envolvendo outro veículo se livraria de ressarcir os prejuízos dizendo: "foi sem querer, não tive a intenção". E quem teria a intenção?

Fabiano (LicoSp) disse...

Fui uma vez numa rave que cujo estacionamento era algo parecido com o sugerido, vi tantos carros com o retrovisor quebrado que entrei em panico, ainda bem q nada aconteceu.

Depois disso nunca mais. Acho que voce devia ter reclamado, pelo menos para saberem que existe 1 pessoa que seja q nao ficou satisfeita... c todos fizerem isso talvez na proxima resolvam melhorar a qualidade.

Guy Franco disse...

Pena.
E eu nem sabia o que era pool party. Se tiver boia (nossa, agora tem que escrever isso sem acento) e tobogã eu quero ir. Aceito convites.
Abraço

Anônimo disse...

Desculpe amigo...Mas quem tava cagado era você...A festa é sim bem democrática, o som descompromissado e tudo o mais. Você parou para analisar as coisas boas? Ir para um sitio bem legal, com um super sol, amigos, boa musica, infra estrutura, tendas, boa vibe...Eu cheguei cedo, parei o carro, nao tive problemas e fui super bem tratado...Quantas raves não chegam aos pés da Jungle? Pq será que só esta label permanece? Lembra da Turca, Butterfly, garden, the club...etc etc etc. Da próx fica em casa.Será melhor pra gente.

Anônimo disse...

Faz tempo que deixei de ir nas genéricas. Perda de tempo.Pra ver o populacho de jeans e cheio de brilho em volta de uma piscina?Isso sem falar nos óculos brancos... Medo total. Imagine o que será o navio da segunda divisão. Vai ter bóias para todas?

Anônimo disse...

Como se o navio da 1a divisão ainda fosse zarpar. ninguém notou que a TW nem fala mais do navio dela? é a crise, gata.

voce devia ter reclamado na hora. já vi o maurici ressarcir gente de prejuízo antes sem nem precisar discutir. você nem conheceu o cara e tá falando mal.

Anônimo disse...

Existe vida fora da TW?

whateveeer disse...

Olha, vão me desculpar.
Mas eu sou obrigado a concordar com o autor do blog.
Não dá pra sair de casa pra se estressar e ser destratado. E lugar de amador é na xêpa, que essa Jungle vá pra puta q pariu.

whateveeer disse...

E esses Anônimos defendendo uma festa que não tem infra-estrutura??

Nego ganha a entrada e vira partidário. Cômico.

Anônimo disse...

E nego ganha black e fala a mesma coisa

Anônimo disse...

Bah, que vão todas para a Flexx e parem de encher o saco.

Sprite disse...

Gato, já vi coisa pior saindo de pool party. Aqui no interior, mais precisamente em Campinas temos a Garden, que das últimas vezes tem se tornado apelido para GARDENAL. A colocação já começa na fila e eu uns amigos já fomos até perseguidos de facão por algum louco que morava na região do tal do Solar onde fazem a festa... Sem contar os moradores do hotel fazenda que mesmo ganhando indiretamente com as festas, ainda continuam a ofender os gays. Maior dano foi com o ex de um amigo, o cara que guiava os carros no estacionamento disse para a bee que podia seguir com o carro numa ESCADA! E não era pouca coisa, dava uns 5 degraus! Se 2 já estragam o escapamento de qualquer carro, imagine um carro desenhado por Zaha Hadid, desconstrucionismo puro!
Mas assim, eu concordo que realmente rola um amadorismo em algumas festas e parece que os organizadores não aprendem com os erros próprios, muito menos com o de outros empresários. Eu só não fiz questão de ir nessa Jungle por causa de um trauma que tenho de um DJ da festa que agora em 2009 continua tocando os "melhores hits de 2007 da Energia FM" e porque toda festa que junta muito pessoal do interior com de São Paulo, sempre tem aquele estigma da "porrrrrrteira", é muita gongação e mágoa, parece que as bees até se separam e mantém distância...

Alê Bessa disse...

Putz, baby, que foda. Não dá mesmo, tem que ter estrutura para funcionar. E domingo é um dia tão ruim para se ficar estressado, não é mesmo? Por isso geralmente fico em casa e no máximo arrisco um cinema + Piola só para não dizer que não fiz nada... Bjs!

Beto disse...

Aconteceu o problema, a festa é responsável, e eles poderiam resolver.
Mas você ao invés de seguir o caminho certo que era reclamar, decidiu seguir o caminho errado que foi o de queimar sem dar chance de resolver.
Aí você perde a razão, meu amigo.

introspective disse...

Eu não estou aqui para queimar ninguém. Nem estou falando mal do dono da festa, que realmente não conheço. Estou apenas relatando a experiência que vivi.

Não reclamei na hora pelo simples fato de que só fui notar que o carro estava amassado quando cheguei na minha garagem. E aí, obviamente, eu não podia voltar à festa e reclamar, porque não teria como provar que o dano aconteceu lá.

Quando o funcionário da festa amassou o meu carro, era obrigação DELE ter me advertido e assumido a culpa. Assim, eu teria tido a chance de falar com o dono da festa e pleitear um ressarcimento (o que eu teria obviamente feito; muito melhor do que chorar as pitangas num blog, o que não vai pagar meu prejuízo).

Mas, em vez disso, o cara do estacionamento agiu como a faxineira que derruba o vaso, varre os cacos e fica quieta, torcendo para que a patroa não dê pela sua falta. O cara deu uma de "migué", ficou "pianinho", e o trouxa dono do carro é que se foda. Malandragem de espertinho, que tirou o dele da reta. E a festa é responsável SIM, ela lucra às custas do cliente, cobrando entrada (R$30) e também estacionamento (R$15). Parem de inverter os papéis, como se a festa tivesse sido a vítima e eu, o vilão interessado em difamá-la. O único prejudicado aqui fui eu.

Anônimo disse...

Quem procura, acha!

Anônimo disse...

Ai cara, na boa. A festa estava incrível. a Jungle é a única festa que consegue colocar vários DJs da cena nacional, e todos eles tocam com o maior prazer. Mauro Mozart, Felipe Lira, Bruno Barreto, até mesmo o residente da Cantho nã é pra qualquer um. E não é qualquer festa que consegue juntar de 2 a 3 mil pessoas hoje em dia, e se junta é por que a coisa é boa. Você não pode julgar uma festa apenas pelo estacionamento. De onde você tirou experiencia pra saber qual festa é boa e qual festa não é? Da The Week? Você deve ser o tipo de gente que acha que a tw é a melhor coisa que já fizeram... enfim. sai dessa vida.

Anônimo disse...

Olha oque aconteceu com o navio da 1divisão:
http://dramatica.com.br/post.asp?id=580

Anônimo disse...

Olha oque aconteceu com o navio da 1divisão:
http://dramatica.com.br/post.asp?id=580