quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Um Carnaval à prova de urucas

"O quêêêêê, você vai pro RIO?!?!?! Mas comooooo??? Não vai ter ninguém lá, vai todo mundo para Floripa!!! Tem certeza? Troca essa passagem, gato!" Tive que explicar que ia pro Rio mesmo, e parecia que eu estava dizendo que ia passar o Carnaval em Cuiabá. De uma hora para outra, a Cidade Maravilhosa, que sempre foi a referência número 1 em termos de carnaval gay, era reduzida a um mero prêmio de consolação pelas bilus paulistanas, ávidas por mais um ano de Bar do Deca, certas de que iriam participar de um momento histórico na Ilha da Magia.

Eu adoro Florianópolis, passei três carnavais incríveis por lá (o último deles, em 2008, eu comentei aqui), sabia que em 2009 a bombação seria ainda maior, mas desta vez preferi investir no Rio. E não me arrependi nem um pouco. Gastei um terço (ou até menos) do que teria gasto em SC e me diverti muito mais do que eu pensava - foi um dos melhores Carnavais que passei. Fiz um planejamento menos rígido e, surpreendentemente, as coisas fluíram melhor: meus dias ficaram mais redondos, amigos e peguetes foram aparecendo no meu caminho, e no final tudo se encaixou numa boa.

Pra começar, não dá pra não achar graça no tamanho da pretensão de quem pensa que o Carnaval carioca precisa do aval dos paulistas para decolar. "Não vai ter ninguém"?! A cidade estava lotada - e, antes que retruquem que quantidade não é sinônimo de qualidade, esclareço que os homens estavam de enlouquecer. A quantidade de machos bonitos de todas as facções possíveis (garotos dourados da Zona Sul, gringos boa-praça, barbies for export, surfistas, santateresófilos, cafuçus-delícia) era uma coisa de louco, era de bater com a cabeça na parede. Tanto na praia (o hype do Coqueirão já está mais do que confirmado; a Farme continua intransitável) quanto pelas ruas, nos bares e nos blocos.

Aliás, uma característica marcante deste Carnaval foi a explosão dos blocos de rua. Eles sempre existiram, é verdade, mas parece que neste ano eles se multiplicaram e cresceram muito mais. Os mais conhecidos, como o Boitatá e o Bola Preta, juntaram multidões enormes, mas aconteceram muitos outros, grandes e pequenos, em todas as partes. É impressionante como os cariocas têm uma vocação genuína para a folia: eles fazem festa até dentro de elevador quebrado. Famílias inteiras se montam e saem às ruas brincando feito crianças, imbuídas de um espírito carnavalesco que não se vê mais aqui em São Paulo. É no mínimo curioso ver homens héteros vestindo-se de mulher e até arriscando algumas experiências novas, sem que sofram qualquer tipo de censura ou cobrança por causa disso: o Carnaval perdoa tudo.

Com dias perfeitos de céu azul e nenhuma chuva (o sol era mais ardido de manhã e mais ameno no decorrer da tarde), era um prazer curtir o Rio ao ar livre. Depois da praia, a muvuca na rua Farme de Amoedo parecia melhor do que nos outros anos: com o quarteirão entre Visconde e Prudente também fechado, o Tô Nem Aí juntou um pessoal mais bonito, enquanto a porta do Bofetada manteve a pegada popular, com axé e samba. Ótimo poder sair um pouco daquela função "clubes fechados" e curtir uma noite gostosa e descompromissada, indo e vindo à vontade, encontrando os amigos e beijando muito.

Para quem queria se jogar, tinha muita coisa rolando. Na cena barbie-tribal, a The Week não estava tão insuportavelmente lotada quanto no Réveillon (o Seamus Haji destruiu, mostrou que dá para tocar para gay sem ser bagaceiro!) e as pool parties da Rosane foram um repeteco do que todo mundo já conhece e gosta (a de domingo estava bem tranqüila, uma delícia). Ainda no domingo, teve festinha de house no 69 (com Pareto, Márcio Vermelho, Tatá, MM e Serge) e um 00 bombando de gente linda (segundo uma fonte confiável, pois não consegui ir). No circuito eletrônico, o Rio Music Conference trouxe DJs fodões (Sven Vath, Pete Tong, Erick Morillo etc.), mas desanimei quando vi os ingressos (antecipados!) a R$180. Uma boa alternativa era a festa na bolha gigante do Aterro do Flamengo, com o top John Digweed (entre R$30 e R$80). Ah sim, a Lapa também bombou (um povo bem misturado, com direito a beijação gay na frente do Lapa Mix) e a gafieira do Elite reuniu os melhores cafuçus do pedaço.

Enfim, o Rio continua tendo o Carnaval mais completo do Brasil. Fiz só metade do que poderia ter feito, e voltei pra casa pra lá de satisfeito. Se o Rio ficou devendo em algum quesito, só consigo pensar em um: a presença de paulistas. De fato, não vi nem sinal das figurinhas carimbadas que vejo o tempo todo (acho que até a tia da limpeza da The Week foi conferir o hype de Floripa). Mas posso garantir que o Rio não sentiu falta e passou muito bem sem eles. Não duvido que o fervo em Floripa tenha sido ótimo (eu ainda não falei com ninguém que foi), mas também tenho certeza de que nosso mercado, hoje, comporta pelo menos dois Carnavais incríveis ao mesmo tempo. Que bom!

19 comentários:

Jotta disse...

Putz. E eu aqui no meio desse frio europeu...

Diógenes de Souza disse...

Ter opções boas como essas duas é sempre bom. Aqui no nordeste carnaval é sinônimo de Savador e Olinda. Mesmo assim, aqui em Aracaju choveu pacas.

Daniel disse...

Engraçado. eu não senti nenhuma falta da turminha de sempre do Rio.
acho que é a mudança de ares que semper faz bem quando a gente está acostumado com algo.

Pegante disse...

adoro floripa e rio; cada um com suas vantagens.
acho ótimo ter opções.
e não sei qual a graça de viajar para dar de cara SEMPRE com as mesmas pessoas [como muita gente que fica esperando o sinal de alguma alfa-biba para saber o que fazer nos feriados e acaba sempre na mesma rodinha - haja tédio!].
nesse ponto, achei o Carnaval no Rio interessante, mesmo com o excesso de cheiro de mijo pós-passagem dos blocos.
E fora do circuito pegação (que tb estava muito bom...), achei MUITO legal ver o renascimento com toda força do carnaval carioca de rua, como vc falou. Peguei o Boitatá no centro (por acaso) e achei o máximo aquele monte de classe média curtindo o carnaval numa boa, muita gente fantasiada etc.
Adoro TW etc, mas é bom ter algo diferente para fazer tb. Floripa não oferece isso.
O negócio é alternar as viagens: uma no cravo (Rio), outra na ferradura (Floripa).

fabricio disse...

Fico feliz que tenha voltado a postar...já estava sentindo falta. Abraços.

Gui Sillva disse...

Foi óteeemoooooo!
bom te ver!!!

Lindinalva Zborowska disse...

vc sempre um eterno apaixonado pelo rio...
Um beijo e me liga, fio!!

Jack disse...

Pois é, como disse o Pegante aí em cima, o Carnaval de rua realmente é uma coisa interessante de se ver, embora a Banda de Ipanema já esteja beirando o insuportável e as pessoas sempre poderiam ter a decência de jogar lixo no lixo e mijar num local mais adequado (banheiros químicos ajudariam?) No mais, também adorei o carnaval do Rio esse ano, tanto como o do ano passado, com boas opções para todos. E não é que até alguns paulistas deram as caras por lá?! ;-)

uomini disse...

Diria que este post merece uma continuação! Mais detalhes sobre o Canaval do Rio com os pontos de vista que só vc tem! Bjus. Cris

Anônimo disse...

Tbm troquei Floripa por Rio e nao me arrependi nao.
Foi um dos melhores carnavais pra mim.

tiozinho disse...

Troquei o Rio pelo Farol de Santa Marta, em SC, e com a experiencia de macaco velho de outros carnavais em Floripa uma coisa tenho certeza: não troco por nada desse mundo.
Além do lugar ser lindo, as bilús devastadeiras não descobriram (ainda) o que faz do lugar quase um paraíso, com direito a tudo.
fikadika.
=)

baiano disse...

tiagoo

carnaval aqui em salvador bombou também. teve um circuito gls fortissimo, com direito a uma pool party exclusiva no sábado a tarde.
bjoss

Alberto Pereira Jr. disse...

sou novato nessa história de pular carnaval.. nunca tinha ido ao Rio nessa époica e tb não me arrependo.. adorei.. e olha q eu não me jogeui nas baladas.. só fui uma vez na TW para conhecer.. o clima as belas pessoas e as companhias queridas deram um arremate perfeito à folia da carne

:)

abonitadavieirasouto disse...

Sobre os banheiros, a prefeitura fez experiência nos fins de semana anterior. Vamos combinar. Se na pool da R-evolution não funciona, imagina na rua. E o pior, enfeia a paisagem da tão bonita ipanema. Duvido que na paulista dos seuss revellions tbm não fique um cheiro de mijo/sujeira pela rua. É muita gente para manter limpo, nem as lixeiras davam conta de tantas sacos/cocos/...deixados pelos banhistas e foliões. Moro no arpoador, só sai no sábado, não gostei do que ví na rua/calçadão de Ipanema então preferi ficar em casa e aproveitar a noite. E falo não por culpa do povo que invadiu Ipanema e sim pela prefeitura, da falta de garis, única solução para o lixo/cheiro de mijo na rua. E sobre o carnaval, foi mais um, digno de uma cidade que sabe receber TODOS com carinho e amor.

Anônimo disse...

Sou paulistano, e uma coisa eu digo: VIVA O RIO! Não troco meu carnaval naquela cidade por nada desse mundo. De verdade, a paulistada não fez a menor falta. O carnaval foi perfeito. Pena que acabou tão rapido...

Gui disse...

Foi ótimo, né?
E a quantidade de opções de festas e coisas pra fazer não deixou duvidas de que o Rio continua sendo um destino incrivel pro Carnaval.

Anônimo disse...

Pra quem gosta de levar porrada

da Folha de S.Paulo 03 Março 2009

Um beijo entre dois homens, um de 30 anos e outro de 19, terminou em agressão na escadaria de Santa Teresa, na Lapa, centro do Rio, na madrugada desta segunda-feira (2).

Segundo as vítimas, o tumulto começou depois que eles se cumprimentaram com um "selinho" (toque rápido dos lábios). Ao ver a cena, eles contam que um grupo de dez pessoas os ameaçou e um deles levou "socos e chutes". As vítimas acusam PMs de negar socorro.

Militante da ONG Arco-Íris e superintendente estadual de direitos individuais, coletivos e difusos, Cláudio Nascimento notificou a Secretaria da Segurança Pública, a Ouvidoria da PM e o comando do 13º BPM (centro), responsável pela área, pedindo providências. A reportagem não conseguiu contato com os órgãos.

Paula disse...

hauhauhauhau..adorei seus posts!!
realmente vc perdeu o 00..tudo de bom, fofo!
to pegando uma carona agora nas suas dicas de Berlim..to indo em Maio.. loucura total!! um bj

Anônimo disse...

Tb fui pro Rio! Foi sensacional mesmo!
abraços,
red