quarta-feira, 9 de setembro de 2009

All you can eat

"Que bom que você me procurou", disse-me o rapaz do Flamengo, cujo perfil eu havia visto em um desses sites de encontros, tipo Disponível. "Confesso que pensei que você não fosse ligar quando estivesse aqui no Rio". Estranhei: eu não tinha dado nenhum sinal de que fosse um daqueles enroladores que não ousam sair do virtual. E ele não era o tipo de cara que alguém em sã consciência colocaria na geladeira - gostoso, másculo, não havia mentido em nada no perfil e parecia ainda mais atraente ao vivo. Por que eu não ligaria, então?

"É que os caras de fora em geral nunca ligam. Quando combinam a coisa virtualmente, eles até acham que vão te ligar. Mas aí eles chegam aqui no Rio e ficam loucos com tanta oferta, e então simplesmente colocam você de lado, esquecem mesmo". Ele explicou que já estava acostumado com isso, mesmo quando o papo virtual era promissor e sugeria afinidades dentro e fora da cama. Apesar dos freqüentes desencontros, insistia na internet. Estava cansado desse jogo de consumo imediato do qual ele mesmo já participara tanto, e tinha a esperança de que ali pudesse encontrar pessoas que não o descartassem tão rápido.

Botar as asas para fora e tirar uma casquinha dos sabores locais é um prazer que faz parte da aventura de sair de casa e visitar um lugar novo - negar esse desejo é pura hipocrisia. No Rio de Janeiro, a cidade mais sacana do mundo, onde a carne é de primeira e o radar sexual das pessoas funciona 24 horas por dia, esse comportamento parece ainda mais justificável. Não estou aqui para ditar o "certo" ou condenar o "errado", em tom moralizador, mas parei e pensei nas pessoas que devoram todos os homens que aparecem pelo caminho, tudo ao mesmo tempo agora, mesmo quando não estão na pele do turista.

De fato, muitos encontram nesse tipo de atitude um caminho de realização plena - livre, saudável, bem resolvido e sem culpas. Mas outros tantos são o tipo de gente que não liga para o moreno do Flamengo, mas depois vive se queixando da solidão, sem se dar conta das chances que desperdiça a todo momento. Ao atirar para todos os lados e se empanturrar no bufê all you can eat, que fome é essa que eles estão tentando aplacar e não conseguem? Talvez nem eles saibam a resposta.

23 comentários:

Ruy disse...

é muito fácil tirar sarro de sites de relacionamento na rodinha de amigos, na fila da balada, afinal soa como coisa de loser, fracassado (e ta lotado desses), mas a verdade é: quem é sexy, bonito, inteligente e bom de cama sempre o será.

A internet é apenas mais um meio honesto de esbarrar pelos tipos disponíveis a procura de um parceiro para sexo, pra namoro, pra casamento ou qualquer outra coisa que você procura.

Tiozinho disse...

Concordo muito com o Ruy quando ele diz "A internet é apenas mais um meio honesto de esbarrar pelos tipos disponíveis a procura de um parceiro para sexo, pra namoro, pra casamento ou qualquer outra coisa que você procura" mas comigo nunca rolou, talvez falta de paciência, mas uma coisa boa que sempre tive sorte foi com amizade, ja fiz grandes amigos, e se fores ver, vale bem mais do muitas fodinhas.

Ricardo A.M. disse...

Já que comida é o tom da coisa, eu diria que é uma questão de hábito. Grande parte do pessoal se acostumou com fast-food - e não consegue mais ter paladar, nem intuição, para coisas mais gourmet, hehehe.

O que é uma pena; Eu mesmo já conheci muitas pessoas pela net, alguns que chegaram a virar amigos de coração - tudo isso porque eu, a exemplo de você, honrei alguns compromissos.

Mas isso espelha um pouco a filosofia do mundo de hoje: satisfação imediada é o que interessa, não a qualidade. E enquanto isso, muita gente legal fica por aí, abandonada - por aqueles mesmos que, um dia, também vão reclamar da solidão por se encontrarem abandonados.

Abração!!!

Isadora disse...

Sempre acho que qualidade vale mais a pena que quantidade. Mas tem hora pra tudo, né? Há momentos em que a gente está a fim mesmo de se refestelar nos cardápios disponíveis e também aqueles em que o familiar é muito mais gostoso.
Mesmo assim, quando a gente fala desses assuntos pra mulheres, acho que é bem diferente. O nosso "se refestelar nos cardápios" costuma ser mais restrito, para o bem e para o mal...
Beijo!

tommie carioca disse...

All you can delete.

Leandro K. disse...

Talvez não seja um all you can eat que desvie os caminhos ou que explique a atitude. Quando falamos de atitudes humanas nas relações - amorosas ou sexuais - lidamos com o emocional, que é imprevisível e não há muito como entender...

Rique disse...

Eu acho que isso muitas vezes e um "texto".

Todo mundo vive falando de solidão, que queria um namorado, que queria um companheiro, ... mas a verdade não e essa.

Quando encontram dão logo conta de achar um ou dois defeitos, para justificar sua volta para a "terra dos devoradores"...

Conheço vários casais, que realmente querem e encontraram.

Acho que o grande segredo passa mesmo pelo que você citou : Aceitação.

Não existe problema nenhum em ser promiscuo, não mesmo. O problema e a aceitação de si próprio, e não criar mitos de que e um pessoa carent : como se fossem príncipes injustiçados pelo mundo dos seres humanos !

sempre foi assim.. assim sempre será.

Aceitação Já !

Baiano disse...

Fantástico.

Juliano disse...

Eu acho que a galera se acostumou a Fast Food, mesmo. reeducar o nosso paladar para uma apreciação gradual dos sentimentos pode ser custoso e doloroso em alguns casos.

Mas é uma alternativa a um envelhecimento num hedonismo raso que poderá nos cobrar algo com mais consistência no futuro.

Anônimo disse...

Eu juro que seria promíscuo se encontrasse alguém atraente no mundo gay. Levo uma vida de privações por absoluta falta de opção. Em 20 anos de vivência gay, conto nos dedos de uma mão os gays realmente interessantes. Não sei que tanta oferta é essa que vocês vêem nas ruas, nas boates, nos sites. Acho que perderam (acaso tiveram) a noção do que seja um homem de verdade, e se contentam com esses bonecos ocos. O que o Rio tem de maravilhoso são os homens heterossexuais. Quanto aos gays, são iguais no mundo inteiro: patéticos, efeminados, dissimulados e FEIOS, muito feios.

Introspective disse...

Anônimo: sem dúvida, os homens cariocas estão longe de ser uma unanimidade - conheço pessoas que os adoram e outras que têm verdadeira ojeriza a eles. Agora, gays DO MUNDO INTEIRO são "patéticos, efeminados, dissimulados e feios"? Acha mesmo? Como sabe? Desculpe a franqueza, mas seu comentário me parece pura homofobia internalizada.

Anônimo disse...

Intro, fiquei aqui me perguntando quem será "A REFERENCIA de HT" carioca desse anônimo mal comido ai de cima!!? Será o Romário ou o Dado Dolabella?
Agora, conta pra ele que recente pesquisa mostrou um interessante dado sobre os homens cariocas "heterosexuais": mais de 50% deles já tiveram pelo menos uma relação homossexual e não sabem. Isto é, pelo fato de terem participado como “ativos”, não consideram como tal. Então, anônimo, você tem alguma chance de pegar seus deuses diretamente no olimpo! Mas vai se acostumando com as porradas e "passadas de perna". Cláudio
obs. eu sou do "grupo da ojeriza" citado acima

Claudio Carvalho disse...

E AI ROLOU OU NÃO COM O BOFE?

Jorge disse...

Minhas amigas heterossexuais não se cansam de dizer: que despertício essa quantidade de homem gay lindo e sarado. Como as coisas são mesmo relativas. O culega diz que seria promiscuo se tivesse gay bonito no pedaço. No meu caso é diferente, minha sorte (penso assim) é eu não ser nenhum Brad Pitt! Caso contrário não faria mais nada a não ser ficar no atendimento. Não ia prestar!

Paulinho do Sonique disse...

Genteeeem, prestem atenção, amigos! Esse anônimo ai é a mesma gordinha peluda de alguns posts la pra traz que vive reclamando que não pega nada (seria promiscuo se tivesse gay atraente!!! kkkkk). Então, amigos, o que aconteceu com ela é que na carência acabou conhecendo e apaixonando por um proctologista carioca HT que não se cansa de passar o aparelho no reto dela. Ah, bunita, confessa!!!!

Anônimo disse...

Ah, Cláudio, claro que rolou, lindo! Ele disse que o moço era moreno (a cor favorita dele) e que não deixou nada a desejar em relação ao anunciado! Rolou com certeza!!! Jorge

Anônimo disse...

Sou o famigerado Anônimo que suscitou tantos comentários acima. A única pessoa a me responder com decência foi o Introspective, um cara inteligente, lúcido e talentoso. Discordar inteligentemente (e fundamentadamente) é uma arte dominada por poucos.

No mais, a velha e surrada estratégia gay para fugir da realidade: deboche, deboche, deboche.

Proponho que, ao invés de me atacarem, vocês ataquem os meus argumentos. Proponho que respondam o que pretendem com essa vida risonha, aonde querem chegar (ou onde chegaram). Tenho amigos gays - como eu - e converso abertamente com eles sobre isso. Para que tanta malhação, ferveção, pegação? Será que a vida se resume a isso? Alguns são civilizados diante da crítica, concordando ou não com ela. Outros fogem da argumentação com a velha estratégia: deboche, deboche, deboche.

Uns vêm com aquela história: o mundo hetero também é frívolo. Bobagem. São 6 bilhões de pessoas e a diversidade come solta por lá. Já por aqui, a diversidade é mais teórica do que real. Quem não entra no circuito efeminado-risonho é queimado numa inquisição implacável. Pessoas como eu - os sem-boate, sem-sauna, sem-balacobaco - é que são os verdadeiros gays, os gays dos gays. E quando dizem o que pensam, tomam dos gays "convencionais" a mesma porrada que eles levam dos homofóbicos.

Se nascessem heteros, estariam dando porrada em gay ao invés de tentar ou conseguir compreendê-los.

Em verdade, existem dois tipos de pessoas. Os sábios e os idiotas. O resto é detalhe - e deboche.

Anônimo disse...

Oh, Santo, Injustiçado e Sábio Anônimo! Que dó teria de você se não me lembrasse de tudo aquilo que você afirmou categórica e impiedosamente acima:

"...Quanto aos gays, são iguais no mundo inteiro: patéticos, efeminados, dissimulados e FEIOS, muito feios..."

Você mereceu cada comentário feito. E merecerá mais... muito mais! Tudo questão de tempo! Aqui ou acolá!

E o que você chama de deboche... tem um nome adequado: bom humor! (bom humor para enfrentar pessoas como você, o melhor exemplo que ja vimos de um sujeito PATÉTICO e DISSIMULADO!).

Só agora percebi que o infeliz comentário acima, você o fez olhando para o espelho que tanto você tenta evitar! Para você só resta muita psicoterapia e análise!!!
Paulo

Anônimo disse...

Mais pérolas do amargurado anonimo para seu deleite:

"Acho que a fixação nos músculos e na estética é uma tentativa de compensar a falta de virilidade, do charme espontâneo, gratuito e natural que os homens heterossexuais têm de sobra."

"Aprendi uma coisa nos últimos 20 anos. O melhor gay é aquele que te ignora."

railer disse...

muito boa postagem. infelizmente é um ciclo vicioso quem entra nessa, pois em cada esquina sempre vai ter alguém melhor.

Diógenes de Souza disse...

Eu tenho relações fantásticas de amizade com pessoas que conheci na web, masmo sendo a pessoa mais desconfiada que eu já conheci. Em salas de bate-papo, sites de relacionamento e afins há, sem dúvida, opções para todos os gostos e corpos.

Abraço.

Anônimo disse...

Gostei do posto anônimo quando disse que a arma favorita dos gays é "deboche!deboche!deboche!"

kikoriaze disse...

Até concordo com o "Anônimo" quando ele diz que o gay é igual no mundo inteiro. Não digo isso tomando como referência as palavras impiedosas que ele usou. Essas eu prefiro ignorar.
Mas olhando pelo lado cultural, atitudes e linhas pensamentos, os gays de toda parte do mundo são muito parecidos sim.

Entretanto, ao dizer que os HT's cariocas são mais interessantes que os gays, ele está se referindo a quê?
Provavelmente, apenas ao sexo. Nada mais.
A realidade é essa: HT's só servem para sexo.

O gay que alimenta a fantasia de se "arrumar" com um hétero só faz cair num abismo de ilusões. Héteros só querem "fazer". Para eles, relacionamento entre homens é coisa de "viado"...

Mas enfim, cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é!