sábado, 2 de junho de 2007

Guia da Parada 2007, parte 3: o que fazer em SP

Muitas pessoas de fora que vêm se jogar aqui já chegam com a falsa idéia de que esta é uma cidade sem graça e com pouca coisa para se fazer. Ora, apesar de não ter a mesma vocação turística de outras capitais do Brasil, São Paulo tem sim muita coisa bacana e consegue agradar a turistas de todos os tipos.

Para encerrar este Guia da Parada 2007, aqui vão 12 sugestões de atividades e passeios para se fazer entre uma festa e outra – tanto para quem quiser encontrar mais bees, como para quem preferir dar um tempo do fervo.

1 - CURTA O PARQUE DO IBIRAPUERA. Orgulho dos paulistanos, é um dos pedaços mais bonitos da cidade e tem a mesma função social que o calçadão da Zona Sul tem para o Rio de Janeiro: é onde as pessoas andam de bicicleta (dá para alugar lá), correm (a pista de cooper é bem arborizada), fazem esportes variados (há quadras de todos os tipos) e, claro, socializam e paqueram. Há muitos recantos agradáveis, mas é na Praça do Porquinho (perto da entrada da pista de cooper) que os caras mais interessantes tomam sol, especialmente aos sábados e domingos à tarde. Ótimo para dar uma espairecida e descansar a cabeça de tanta jogação.

2 - ENCHA OS OLHOS COM AS MELHORES VITRINES DA CIDADE. A Rua Oscar Freire é o principal corredor e tem todas as lojas de roupa que importam, desde as nacionais (Carmim, Triton, Ellus, Zoomp, Forum, Sergio K, Crawford, VR, Siberian etc.) até as estrangeiras (Diesel, Energie, Replay). Já as maisons das grifes de alto luxo (Armani, Versace, Dior etc.) estão nas transversais Bela Cintra e Haddock Lobo. Mesmo se você não estiver com a carteira recheada, dê uma flanada pelas vitrines e depois tome um café na Cristallo ou um sorvete na Haagen-Dazs. Modernos podem garimpar artigos descoladíssimos na careira Doc Dog (na Rua Bela Cintra) e opções mais em conta na já clássica Galeria Ouro Fino (na Augusta, entre Lorena e Oscar Freire).

3 - VEJA UM FILME NA PAULISTA. O circuito de cinemas cult de São Paulo está todo nas redondezas da avenida-símbolo da cidade. Na própria Paulista estão o Reserva Cultural (no prédio da Gazeta, com um café lindo de onde se vê o movimento na rua), as duas salas do Cine Bombril (dentro do Conjunto Nacional) e o complexo Bristol (no Center 3, que também tem uma providencial praça de alimentação). Na Consolação com a Paulista (logo ali onde a Parada faz a curva!) está o tradicional Belas Artes, hoje todo reformado. A Rua Augusta tem o querido Espaço Unibanco de Cinema. E os excelentes cinemas do Shopping Frei Caneca não estão longe.

4 - ATUALIZE-SE EM NOSSAS MEGALIVRARIAS. Também na Avenida Paulista estão as duas maiores livrarias da cidade. No número 901, em frente ao prédio da Gazeta, a francesa FNAC oferece, além de livros, revistas, CDs, eletrônicos e ingressos para espetáculos, além de uma unidade muito agradável do Fran’s Café. O Conjunto Nacional é sede da Livraria Cultura, a preferida da intelligentsia paulistana por conta do atendimento altamente especializado. Há menos de um mês, ela foi reinaugurada em um espaço cinematográfico e tem tudo para virar uma atração turística.

5 - PASSE UMA TARDE GOSTOSA EM UM BOM CAFÉ. De alguns anos para cá, São Paulo finalmente acordou para os cafés, um prazer que sempre foi hábito em cidades como Paris e Buenos Aires. As opções mais bacanas estão nos Jardins. O Suplicy é moderninho e tem uma torta de limão divina; o Santo Grão é aconchegante (especialmente nos sofás) e faz um frapê de café delicioso; o Havanna traz os famosos alfajores da marca diretamente da Argentina; e o Oscar Café está bem no meio das lojas da Oscar Freire (mas é na Cristallo que se tem a melhor vista do movimento). Fora desse eixo, a rede americana Starbucks chegou com estardalhaço e oferece suas famosas bebidas com café nos shoppings Morumbi, Higienópolis e Eldorado.

6 - VÁ BATER PERNA NO FREI CANECA. Desde sua inauguração, o Shopping Frei Caneca virou um ponto de encontro certeiro das bees paulistanas. As finas torcem o nariz, afinal as lojas em si ficam realmente devendo (a mais interessante é a Foch, onde você provavelmente vai passar para comprar ingressos para alguma festa). Em compensação, os excelentes cinemas do Unibanco Arteplex estão entre os melhores de São Paulo. A praça de alimentação fica tomada por grupos animados de bibas, especialmente aos domingos, que viraram uma espécie de dia oficial do fervo, com a caça correndo solta pelos corredores.

7 - DÊ UM PULINHO NO AUTORAMA. Quando a noite cai, o estacionamento do Parque do Ibirapuera que fica atrás do prédio da Bienal se transforma no famoso Autorama, uma verdadeira praça de convivência gay. Alguns ficam encostados nos carros ouvindo música e tomando uma cerveja com os amigos, desencanadamente; outros partem direto para a caça, e às vezes chegam até as vias de fato, dentro dos carros ou nos cantinhos lá do fundão. Se você quiser se aventurar, muito cuidado com as rondas da polícia e com os ladrões disfarçados de michê. O Autorama é prova inequívoca de que paulistano pega trânsito até para fazer pegação...

8 - SINTA-SE NA EUROPA NA PINACOTECA. A Pinacoteca do Estado é um dos melhores museus da cidade, sempre com várias exposições interessantes ao mesmo tempo. E o espaço em si é muito agradável: na parte de trás, há um belo café que se comunica com o lindo Parque da Luz – um pedaço de São Paulo verdadeiramente europeu, perfeito para um passeio no inverno. Vizinha ao prédio da Pinacoteca, a imponente Estação da Luz guarda outra atração cultural muito bacana: o Museu da Língua Portuguesa (onde você pode inclusive descobrir o significado da palavra “neca”!).

9 - SINTA-SE NO JAPÃO NA LIBERDADE. Assim como Londres e San Francisco, São Paulo também tem um bairro oriental onde a sensação de imersão é total: as lojas vendem produtos típicos (o magazine Ikesaki é ótimo para quem procura cosméticos a preços baixos), os indecifráveis ideogramas estão por toda parte (ou pelo menos estavam, antes da Lei da Cidade Limpa acabar com os letreiros nas fachadas) e até os postes têm luminárias japonesas. Aqui você encontra culinária de raiz (os restaurantes vão muito além do sushi e passam longe das invenções ocidentalizadas), um dos melhores pastéis da cidade (o do Yoka, na Rua dos Estudantes) e delicados pães recheados (na Bakery Itiriki, padaria nipo-chinesa que fica na mesma rua). Aos sábados e domingos, há uma concorrida feirinha com badulaques e comidas típicas, bem na saída do metrô.

10 - ENTRE NUMA OVERDOSE DE SHOPPINGS. São Paulo é conhecida no País inteiro pelos seus shopping centers e justifica a fama que tem: são mais de quarenta em toda a cidade. O Iguatemi é o mais elitizado: tem as lojas mais caras (e uma ala só para grifes de alto luxo, como D&G e Armani), além de um suntuoso complexo de cinemas com um lobby chiquérrimo. O Higienópolis é um dos mais nobres e bonitos, com ótimas lojas e todo o charme do bairro. Favorito desde os anos 80, o Morumbi sempre teve uma ampla oferta de lojas (como o irmão Barrashopping) e ganhou uma ala inteiramente nova em 2006. E o Ibirapuera é outra boa opção de compras, embora não tão charmosa quanto as anteriores.

11 - DÊ UMA CHANCE PARA A VIBE RELAXADA DO CENTRÃO. As finas só querem saber de Jardins e Ipanema, mas a verdade é que também existe muita vida gay – e muita gente legal – fora desse eixo. Por mais sedutor que seja o mundo das roupas caras e dos corpos esculpidos, às vezes é bom dar um tempo desse circo de ostentação e exigências e lembrar que também existe um mundo mais relaxado e amistoso, onde as pessoas se divertem democraticamente sem se preocupar com a imagem o tempo todo. Na tarde de quinta-feira, esse povo todo tem encontro marcado na tradicional Feira Cultural, que não será mais feita no Arouche e sim no Vale do Anhangabaú. Estandes tipo Mercado Mundo Mix, comes e bebes e engraçados shows de drag queens garantem a animação.

12 - FAÇA UMA PEGAÇÃOZINHA. Sejamos francos: ninguém é de ferro, e turistas adoram aprontar quando estão fora de casa. Nesse aspecto, São Paulo tem uma oferta de saunas, cinemas, bares e festas de pegação que nenhuma outra cidade do Brasil tem. Entre as saunas, o grande destaque é a recém-inaugurada 269, com uma estrutura nunca antes vista no Brasil (com exceção de Recife); outras opções são a Termas For Friends (limpa, ampla e cheia de cacuras), a Labirinttu’s (escura, suja e movimentada, por ser 24 horas), a Lagoa (que tem os melhores michês da cidade) e a Wild (pequena e limitada, mas que se transforma nas festas especiais que organiza). A Station, primeiro cruising bar do País, é um clássico ponto de encontro antes da balada. E, para quem gosta de pegar muitos ao mesmo tempo, os clubes de sexo Gladiators (numa travessa da Frei Caneca) e Blackout (no Centrão) disputam espaço com a RG31, uma casa semi-fechada que promove surubas concorridas em plena Vila Mariana. Não se esqueça da camisinha!

6 comentários:

Cristiano disse...

Thi,
Trilogia fechada com chave de ouro.
O melhor guia que li até agora!
Parabéns.

Anônimo disse...

Seu guia está excelente, mas ao seu lado os programas se tornam mais especiais. Xande

Gui disse...

O melhor guia sem dúvida. O mais divertido é que em quase todos os pontos existe uma dica gastronômica...rs

Tem coisas que não abro mão: bater ponto no Ritz, Oscar Freire e nos cafés SEMPRE. Adoro.

Faltam o Mestiço e o MLP (alias, sabe se esse ultimo abre na quinta feriado?).

Ernesto A N Polotto disse...

Parabens lindinho..... gostei de ver..... nao faltou nada..... Obrigado mais uma vez por me deixar a par do que esta acontecendo ai em casa..

Neto

Ivo disse...

AMEI seu guia, completíssimo e bem escrito (como sempre!). Eu particularmente ainda citaria o Frevo, mas nada indispensável! Nos vemos na quarta!

André disse...

Queridão, seu guia ficou tão bom, que não resisti e lancei uma nota linkada no www.cerradoeletronico. com

Um abração e até sexta!!!