terça-feira, 23 de junho de 2009

A delícia de quebrar tabus e gozar como nunca

[Calma, queridos. Não vou fazer aqui nenhum post sórdido à la Uomini...] Já recomendei aqui a Papo de Homem, espécie de revista virtual dirigida a homens heterossexuais, mas que tem uma porção de textos que gays também podem achar bacanas. A maior parte do material é escrita por homens, mas alguns textos e colunas são assinados por mulheres. Semana passada, uma das colaboradoras escreveu um texto fantástico, em que dividiu com os leitores uma experiência sexual que para ela foi bastante intensa e libertadora. O que ela aprontou está resumido nesta frase: "Transei com dois amigos e rompi vários tabus ao mesmo tempo: transar com mais de um homem ao mesmo tempo, fazer sexo anal e DP [dupla penetração] e chorar durante o gozo".

O relato é mesmo inspirador: gostoso, corajoso, sem culpas ou amarras, como o bom sexo deve ser. A moça mostra total compreensão das regras e convenções sociais que estavam em jogo, mas pondera que confiava nos parceiros, não estava traindo ninguém e, afinal, teve a melhor experiência sexual de sua vida - o que só podia ser saudável e positivo, portanto. Mas vencer tabus nem sempre é tão fácil: há que se lidar com duas censuras, a própria e a dos outros. Enquanto vários dos comentários aplaudiam o texto, uma leitora jogou areia: "Por acaso vocês considerariam namorar uma garota depois disso? Muito bonito o discurso de liberação sexual, mas o mundo ainda não está preparado. Ainda existe muito machismo e preconceito sim! Não é só uma questão de pudores. O buraco é bem mais embaixo". Alguns leitores concordaram e teve quem chamasse a confidente de "vadia".

No meio gay, acontece a mesma coisa, só mudam as práticas. Para nós, ménage à trois não é nenhum crime: não é exatamente incomum ver três homens se pegando na pista da The Week, ou ouvir confidências de casais que levam um lanchinho para casa. Mas também temos nosso repertório de fantasias proibidas, desde a simples escolha de um parceiro bronco, rústico e que não é do nosso "nível" (o famoso "cafuçu"), até variados jogos de dominação e submissão, vestir lingeries e peças femininas, brincadeiras com urina, DP anal ou fisting. Muitos reprimem esses desejos, ou deixam para exercê-los com garotos de programa, de forma impune e livre de recriminações. Afinal, nosso mundinho é pequeno, as informações circulam rápido e o patrulhamento sobre a vida alheia é mesmo uma coisa. E o comentário da leitora - assumir certas posturas sexuais desqualifica você como possível namorado - também encontra eco por estas bandas (pois é, nós reproduzimos mais o moralismo heterossexual do que imaginamos).

Mas quem ousa pagar o preço de vencer os próprios pudores pode ter gloriosas recompensas: não só prazeres físicos inimagináveis, como também a chance de se conhecer melhor e descobrir muitas coisas novas sobre seu corpo, seu desejo e suas emoções. Sempre existe o risco de ser julgado, mas aprender a não depender da aprovação dos outros também é uma prova de maturidade. Poucos arrependimentos são piores do que reprimir um desejo na cama, por ter esperança de ver o cara novamente e medo de se queimar com ele e, mesmo assim, ele não te procurar mais e você perceber que desperdiçou sua chance. Como disse um leitor do post: "O negócio é buscar o prazer. Afinal de contas, não vamos sair dessa vida vivos mesmo".

24 comentários:

Fernandez disse...

Concordo com voce! A vida e muito curta, o melhor e aproveitar os bons momentos que ela nos oferece, muitas pessoas vivem amarrados a regras e codigos, e acabam por nao viver a vida.

David® disse...

Thiago, vc recebi o título do post achei realmente que fosse um post à la Uomini...rs

Essa libertação que a garota experimentou é realmente (e redundantemente) libertadora.
E só acontece quando 2 elementos se encontram, como num eclipse: o momento certo e a coragem para aproveita-lo.
Um sem o outro, não dá um bom resultado.
Sorte dela...e de todos que aproveitaram.
bjso

Paulo Braccini disse...

perfeita sua contextualização sobre o tema ... Viva a Vida ...

bjux

;-)

Anônimo disse...

Fantástico o post do Introspecthive, fantástico o post da garota. Chances desperdiçadas nunca saem da nossa cabeça. Não vale a pena desperdiçar só por conveniência. E se você tem real intimidade com alguém, se permitir viver fantasias sem pensar em tabus é o melhor presente que vocês podem se dar.
Essa fantasia de 2 homens é mesmo recorrente entre mulheres, embora pouquíssimas assumam. Mas o bom das fantasias é que elas são flexíveis e moldáveis: essa da DP dá pra fazer com brinquedos, se for o caso. O resto, é por conta da imaginação. ;)

Marcos Freitas disse...

Concordo perfeitamente, porém, temos acesso a tudo, temos o direito a tudo que desejarmos, desde que esses atos e desejos não agrida um terceiro. Note, a colaboradora que escreveu seu depoimento contou que não estava traindo ninguém, isso é o que nunca deve acontecer, pena que é o que sempre acontece nessas experiências sexuais.

Regina disse...

Uau, Thiago! Aqui é a Regina (namo da Isa). Adorei o post: não precisamos lutar tanto pra ficar presos em gaiolas que nós mesmos criamos. E essa foto d´Os Sonhadores é das coisas que mais gosto e uma das cenas mais lindas que já vi no cinema (três pessoas, três rostos refletidos cada um num quadradinho do espelho...)
Amei!
Beijocas!

isadora disse...

Que delícia de post! Livre, leve e solto! Realmente um dos triozinhos mais interessantes na imagem: o que são esses 3!! Quebrando tabu sempre é mais gostoso, né? Só pra constar, aqui é a Isa (namorada da Regina, hauhauahaua).
Beijo!

Priscilla disse...

Adorei a análise. Cheguei aqui pelo blog da Lola. Um abraço.

Renato disse...

Tenho uma amiga que "confessou" ao namorado evangélico que já havia feito menage. Ele ficou horrorizado, mas por fim, se casaram. Ela se tornou evangélica tb e perdemos contato. No caso dela, a realidade imitou o enredo de novela ruim rs rs rs

Ah, acho que a imagem do post é do filme Os Sonhadores.

Joapa disse...

Concordo contigo. mas devo admitir que a idéia de transar com algum amigo ainda é um tabu fortíssimo que não me vejo superando.
é realmente um saco quando gays seguem o que há de mais moralista nas relações modelo heterossexuais. por isso que cada dia que passa é mais difícil falar numa classe gay homogênea.

add vc no meus vizinhos do blog.

bjo

João

Anônimo disse...

Texto perfeito!!!

Eu mesmo sempre tive o maior tesão em fazer fisting, a primeira vez q fiz foi a coisa mais intensa da minha vida. Ainda tenho tesão em ver videos e um dia fazer no meu namorado, rs, ....

Por falar em meu namorado, ele mesmo tem uma tara que deixa ele com intenso tesão e que eu descobri sem kerer e sem contar pra ele fui deixando ele a vontade pra fazer oq eu sabia q ele tinha tesão... tem tesão em suvaco suado... ou em suvaco mesmo ... ele goza só de ficar chupando meu sovaco ... e eu aprendi a gostar disso ... nossa relação ficou muito melhor depois disso ...

Vou assinar anonimamente pois muita gente me conhece, e infelizmente nnem todas pessoas tem um respeito no gosto alheio!

uomini disse...

Vadia, sim! Vagabunda! Imagina se a moda pega? Vou perder todos aqueles ocós broncos que procuram um "viado mesmo" (já que as santinhas que eles namoram não atendem o cafuçu como se deve).

KKKKKK

Brincadeiras à parte, adorei o texto!

Bjus.

Cris

Clebs disse...

Creio que explorar a própria sexualidade é algo que todo mundo deveria fazer...Não interessa se é 8, 80, ativo, passivo, com 2, 3, 4, branco ou preto, vale a vontade a descoberta. Sempre respeitando seus próprios limites.

O fato de expor suas experiências é uma escolha tão grave quanto executa-las...Afinal, os olhos alheios podem não ter a mesma coragem e, como seu texto fala, condenar tal atitude...

Tchynna disse...

ai vou confessar aqui! em primeira mão, nem lá no babado certo, eu escrevi essa minha quebra de tabu!

EU FIQUEI COM DUAS MULHERES AO MESMO TEMPO!!!!!!!!!!!!!

Nem o Cris foi tão a fundo!!!!

Beijo, Intro

Tony Goes disse...

A Nina Lemos do 02 Neurônio tem um texto incrível sobre sexo anal, que saiu num dos primeiros livros delas. Ela conta que morria de vontade de experimentar, mas uma única coisa a impedia: a certeza de que o namorado iria contar para os amigos, e que dali para frente ela seria eternamente apontada como "a garota que dá o cu".

Êita mundo véio sem porteira.

Anônimo disse...

Com seguranca, sempre, cada um deve usar o orificio que quiser!!!!!

Gustavo Miranda botadentro@ymail.com disse...

Sou obrigado a fazer um protesto pacífico aqui: os postos do Cris nem sempre são sórdidos hauahauahuahauau
beijo, Thi

Marco de BH disse...

Você é naturalmente estiloso, nua e cruamente verdadeiro e elegantemente provocativo. Nesses casos, "o céu é o limite", meu querido. Ah, e a "felicidade é o caminho". Abraço.

Ivo disse...

Adorei, adorei! Eu ia falar sobre a foto do filme, que é das cenas de cinema que mais amo! Beijo!

Pegante disse...

acredite ou não, conheço muito viado que acha menage um quase-crime.

às vezes testo meus limites, mas tem um que já sei que não ultrapasso: nada de sexo anal sem proteção.

e tenho um limite que pode parecer bobo para muita gente: sexo com amigos de verdade.
acho que o potencial para estragar uma amizade boa (coisa rara) não compensa uma gozada a mais.

agora, já meio que aconteceu o contrário: alguém que começou só como sexo virar um quase-amigo. nada mal se acontecesse com mais frequência.

Mauri Boffil disse...

meus menages não deram muito certo...

David® disse...

Sei que vc anda mto "ativo" nos comentários políticos...mas teria alguma dica gastrônomica pra gente aproveitar no final de semana com chuva e frio em sp?...rs...de preferencia onde se possa consumir algo bem engordativo..rs
bjão

O VIADO E A TRANSGRESSÃO POÉTICA disse...

É super engraçado como - hoje - tod@s aplaudem e querem passar por livres, vide os comentários aqui... Mas, só para lembrar, quem digitar o meu nome no Google verá como ainda impera a hipocrisia, o politicamente correto e a falsidade do desejo. Por que em 2001 eu criei um GRUPO VIRTUAL, uma lista de discussão no Yahoo, para a discussão de barebacking. E fui ameaçado de morte, expulso de vários grupos onde militava, alguns que até ajudei a fundar, literalmente repudiado e queimado em praça pública. e olha que eu só queria discutir intelectualmente algo, hem... risos... jamais teria me exposto tanto se fosse por mero sexo , coisa que se acha com fartura em qualquer esquina de qualquer metrópole, pago ou não...
Portanto, é muito chique ver hoje aqui pessoas que me atacaram tanto no passado posando de libertários....
Felicidades,
Ricardo
aguieiras2002@yahoo.com.br

André Mans disse...

reprimir não
contar jamais
ahsaushaushausha

bjo pra vc