segunda-feira, 24 de maio de 2010

Meu guia gastronômico do Rio 2010 - parte 2

A parte 1, você encontra aqui.

BELISCOS E GULOSEIMAS

O Cafeína (de novo ele!) é uma espécie de coringa: tem cafeteria, salgados, doces, sanduíches e até refeições mais substanciosas. Cada vez mais pop, tornou-se a primeira lembrança de muitos quando bate aquela fome da tarde - afinal, é prático encontrar tudo num lugar só. Mas meus preferidos são outros. Os melhores salgados são os da delicatessen The Bakers, em Copacabana - a quiche Provol'onionz, de queijo provolone com cebola, é um arraso. Para sanduíches, difícil superar o Talho Capixaba, no Leblon: com algum talento, você monta um lanche incrível, escolhendo pães, frios, pastas e outros recheios em uma lista gigantesca de ingredientes. No Centro da cidade, sou louco pelo Ateliê Culinário, anexo ao Cine Odeon, que manda bem tanto nas quiches e salgados como em pratos quentes. E se para você comida é uma preocupação secundária, sente-se em uma das mesas externas da Confeitaria Colombo do Forte de Copacabana e admire a vista espetacular - é ela que ficará em sua memória, não os quitutes de lá.

Bateu aquela vontade de comer doce? A tentadora mesa do quilo Fellini tem uma torta alemã com calda de chocolate morno que é de comer de joelhos. Para rivalizar com ela, só mesmo a torta maravilha (de morango ou banana) da Torta & Cia., no Humaitá e no Leblon. Os bolos da Doce Delícia também não decepcionam. Em termos de sorvete, o Rio me agrada até mais do que São Paulo. Fãs de sabores cremosos na linha La Basque têm orgasmos na rede Itália - o sorvete de torta alemã é algo! Para paladares mais refinados, a Mil Frutas é um programa imperdível: entre sabores de fruta e cremosos, há mais de 180 opções, e a casa não cansa de surpreender com novidades. É cara como Haagen-Dazs, mas vale cada centavo.

Ipanema lança novos modismos a cada verão, e isso também vale para comidinhas. Primeiro vieram as temakerias; depois, as lojinhas de frozen yogurt; no verão passado, surgiu ali uma estranha mania de comer kebab, o famoso churrasco grego, em versão desestigmatizada. Em todos os casos, uma casa lança a ideia, faz sucesso e, na semana seguinte, dezenas de imitações já se espalharam pelos quarteirões. Melhor ficar com os pioneiros: os temakis da Koni Store e o frozen yogurt da Yogoberry. Confesso que não tenho a menor vontade de provar um kebab carioca: se a ideia é um petisco étnico, me apetecem mais as tapas espanholas do Venga!, ou as bruschettas da Prima Bruschetteria.

JANTAR

Comer fora também é programa de carioca, como não? Com direito às mesmas esperas intermináveis que eles acham ruins quando vêm passear em São Paulo, é bom dizer. Nos restaurantes mais buxixados, como o japonês Sushi Leblon, a distração de quem fica plantado esperando mesa é ver e ser visto (alguém pensou no Spot?) e dar de cara com alguma celebridade. Outros japas de responsa são o Ten Kai, em Ipanema, o Manekineko, para quem curte invencionismos ocidentais, e o Azumi, que é o extremo oposto de todos os anteriores: tradicional, purista e frequentado por "japoneses de verdade". Agora eu quero conhecer o Nao, no Fashion Mall, que serve esqueminhas (menus-degustação) criados por Nao Hara, o sushiman do elogiado Shin Miura.

A cozinha contemporânea tem vários representantes dignos na cidade. Meu favorito é o Zazá Bistrô Tropical, um sobrado colorido, de cardápio bem criativo - o curry de frango e o rosbife de cordeiro são simplesmente matadores. No andar superior, você tira os sapatos e come em mesas baixas, jogado em almofadões, à luz de velas. O Bar d'Hôtel, no primeiro andar do Marina All Suites, serve pratos de inspiração francesa, na linha do nosso Ruella (cuja chef já foi sócia do BDH). No Miam Miam [foto], a proposta é comfort food: receitas caseiras, que tragam conforto e lembranças de infância, relidas de forma moderna. O lugar é charmoso e bem retrô, como uma casa de avó. Vários amigos meus adoram o Zuka, mas o cardápio de lá não me atrai tanto; o Bazzar, por outro lado, tem um menu bem amplo e versátil. Uma dica que muitos me deram e ainda não conferi é o restaurante da Roberta Sudbrack, primeira mulher a comandar a cozinha no Palácio do Planalto. Não há cardápio: você embarca numa viagem de vários pratos servidos em esquema degustação pela chef.

Para um jantarzinho a dois, algumas sugestões são o Copa Café, super intimista, que prepara hambúrgueres sofisticados no prato (criados pelo chef do nosso B&B Burger Bistrot), o Juice & Co., que faz a linha saudável, com receitas mais leves e uma carta de 60 sucos, e o Nam Thai, um tailandês fantástico - melhor até que o Sawasdee, o thai da moda. Os paulistanos Carlota e Le Vin também têm filiais no Rio. Se, por outro lado, a ideia é badalar, boas pedidas são os já citados Sushi Leblon e Bar d'Hôtel, além do despretensioso Via Sete e do Felice, unanimidade absoluta entre o público gay.

E, para desfazer certos mitos, vale avisar que no Rio também se comem ótimas pizzas. É verdade que a pizzaria da moda é a paulistaníssima Bráz, que já tem duas filiais cariocas. Mas há outras boas opções, como a Stravaganze, de ambiente moderno, a Capricciosa, pizzaria de grife, considerada por muitos como a melhor da cidade, e, numa linha mais informal, os discos fininhos e crocantes da Pizza Park (Cobal do Humaitá e Cobal do Leblon) e da pizzaria do supermercado Zona Sul. Carioca colocando catchup na pizza, eu só vi mesmo no Pizza Park, que tem cara de bar...

FOME DA MADRUGADA

Até aqui eu vinha dizendo que o Rio não ficava devendo a SP em nenhum aspecto. Pensando melhor, fica sim: a oferta de comida na madrugada é bastante inferior. Mesmo sem bons restaurantes ou padarias 24 horas, porém, há vários lugares que podem quebrar o galho. Dá para tomar um bom lanche em lojas de suco como Kicê (até 2h; até 3h no fds), Bibi (até 2h; até 3h no fds) e BB Lanches (até 3h; 5h no fds), ou comer um temaki na Koni Store da Farme (até 3h; qui./sáb., até 6h). Se um salgado for suficiente, a Fornalha tem três lojas que funcionam 24h.

No clássico Cervantes (até 4h; até 6h no fds), os sanduíches de pernil ou filé com abacaxi (equivalentes em fama ao nosso sanduíche de pernil do Estadão) abastecem a eclética fauna noturna de Copacabana há 55 anos. No Jobi, um dos mais importantes botequins do Rio, a saideira vai até 4h (5h no finde) e pode incluir pratos quentes. Se estiver pela Lapa, o também tradicional restaurante Nova Capela fecha às 5h todos os dias - mas não é qualquer um que consegue traçar um cabrito com arroz de brócolis de madrugada. Só não me peça para recomendar a Pizzaria Guanabara (até 7h): o lugar pode ser fervido e cheio de histórias (Cazuza e seus amigos sempre terminavam a noite ali), mas a pizza é intragável.

14 comentários:

Tiago disse...

Da última vez conheci o Copa Café, foi uma boa surpresa. O lugar é interessante, os drinks estavam bem preparados e a comida boa. Sem falar que foi um alívio escapar da muvuca do Carnaval logo ali do lado, entrar e nem ter que esperar por uma mesa.
Sinceramente, acho o Sushi Leblon supervalorizado. Comi lá uma vez, o sushi estava bom, mas nada demais, nada de muito criativo, só o regular mesmo. Acho que a fila só existe pelo buxixo das celebridades mesmo.
O Felice também tem sorvete, do qual eu gosto muito. O que você acha? E, para concluir minha "análise da sua análise", também adoro o Nam Thai!
Abraços de Israel!

Daniel disse...

Fãzíssimo do The Bakers e Talho Capixaba, além do sorvete de torta alemã do Sorvete Itália. eu costumo pedir 2 bolas, alternando com o de biscoito (na verdade, um sorvete a base de negresco) e sonho de valsa.

Não me rendi as modas dos konis e dos frozens. Adoro kebab, mas não estou satisfeito com nenhum da moda.

Rio é mesmo carentíssimo de lugares para comer de madrugada. Infelizmente ficamos dependentes de McDonalds e Habibs nesse quesito.

Agora, carioca ADORA comer pizza com ketchup e mostarda, para choque e repulsa dos paulistas.

Na sua próxima vinda, vamos tentar ir ao Fiorino na Tijuca para que a Zona Norte não fique tão mal na fita.

ótimo post, já mandei para mamãe.

Camille disse...

Minha Nosssa Senhora! Da sua lista conheço varias coisas, tambem, sou carioca, mas voce esta conhecendo muito mais coisas que eu!!!!!Caramba. Nema Colombo do Forte eu fui. Meu circuitinho e bem Manoel Carlos- Leblon a pé. Preciso me expandir mais quando for ao Rio, vou levar seu guia.
Beijos e o carinho da Cam

Wans disse...

Acredita que dos dois anos e meio que morei no Rio nunca comi empadão? Sei lá por quê?

bj

Paulo Braccini disse...

Nunca me dei bem no Rio em termos de gastronomia ... doido para voltar e poder conferir suas dicas ...

bjux querido

;-)

Vaca Jersey disse...

Ai, ai... me deu até fome! Vc é cara que sempre atiça minha gula... oh, céus!!! Hahaha! Hugz!

Andre Machado disse...

Vou dar algumas sugestões para experimentar da proxima vez(lugares que frequento, uns conhecidos, outros nem tanto):
- Pavão Azul: na Hilario de Gouvea em frente a DP. Maravilhoso boteco com comida familiar ótima.
- Cabidinho: pra chopp em Botafogo
- Lord Bar: fica numa pracinha entre predios na rua da Quitanda (Centro) em frente a C&A. Bem pé sujo. Pra tomar chopp olhando uns dos mais bonitos murais do Rio.
- Real Chopp na Barata Ribeiro com Paula Freitas pra comer polvo vinagrete
- Prefácio: nos fundos da livraria ao lado do cinema em Botafogo pra tomar sopa
- Terzeto e Terzeto Cafe na Gal. Osorio
- Lorenzo: bistro no Jardim Botanico. Delicia
- The Line: lindo restaurante dentro da linda Casa França-Brasil
- Foccacia: dentro da nova Travessa na 7 de Setembro
- Bar Brasil: otimo kassler na Lapa
- Kokyo: novo japa na Paul Redfern
- Anna: de frutos do mar no Jardim de Alah: classudo. Mto bom
- Oui Oui: sempre
- Pra gastar: Tereze em Santa Teresa, Eça na H. Stern da Rio Branco, Le Pre Catelan, CT no Fashion Mall e o melhor: Olympe! Vale todos os muuuuuitos centavos.
- Ainda tem zona norte: os botecos da Pça da Bandeira, Siri da Pça Varnhagen
- Tem muuuuito mais!
- E last, but not least: Bar du Zé pra comer otimo empadão de frango, pastel assado de frango e cachorro quente no forno: fica dentro das Termas Leblon (uiii).

Introspective disse...

Oi André! Adoro leitores que enriquecem os assuntos :)

Dessa sua lista, já conheço o Lorenzo e o Terzeto Café. E todos os da seção "pra gastar" já estavam na minha lista de próximos - só que meus amigos cariocas são meio comedidos em gastos com comida e eu acabo não tendo companhia pra jantar nesse tipo de lugar... :(

Ao Focaccia, que é mais barato, eu vou acabar indo numa das próximas idas. O Oui Oui eu tinha curiosidade, mas já me disseram que o velho Miam Miam é bem mais legal. Vamos ver!

Obrigadão pelas dicas :D

caiotinoco disse...

Só acrescentando que o Ateliê Culinário também tem pontos em outros cinemas do grupo Estação, como Botafogo e Shopping da Gávea.

Desses modismos recentes, a Prima Bruschetteria realmente é uma grande novidade. A de foie gras é uma delícia!

E concordo com a desaprovação da Guanabara. Acho a pizza péssima...

É sempre bom ler seus posts sobre o Rio. Mesmo sendo daqui, alguns locais acabam sendo esquecidos na hora de fazer uma escolha!

Fernando Gouvea disse...

Ótimas dicas, concordo com tudo que vc disse. Senti falta do La Cigalle no Leblon. Muito bom, comida ótima.
Na madrugada da Lapa não fico sem a pizzaria do Carioca da Gema.
Abraço

Andre Machado disse...

Faltou:
- Galeteria Mormaço: Jardim Botanico. De passar mal com tanta gente bonita
-Da Casa da Táta: Gávea. Para café da manhã

Louro disse...

Yume^, o japa do Jardim Botanico è um lugar maravilhoso para ir a dois! (Madonna tbm foi)

Luca disse...

Mais tapas no Rio, dessa vez em Ipanema

http://rioshow.oglobo.globo.com/estabelecimentos/le-baroque-1598.aspx

Le Baroque
(Inaugurado em maio de 2010)

Adriana disse...

gosta de Santa Teresa? o Bar do Hotel Santa Teresa, o Bar dos Descasados é otimo! e o restaurante do Hotel Santa Teresa, o Thérèze é maravilhoso tb!