quarta-feira, 9 de junho de 2010

E la nave va...

::: Pois é, a Parada dobrou a esquina e passou (e foi bem melhor do que as edições anteriores), o feriado acabou e a vida segue. Quem passou semanas ou meses criando expectativas e se preparando para a data (como várias pessoas que eu conheço) se vê agora em uma espécie de vácuo: e agora, o que fazer? Parar um pouco de sair e pagar as contas? Pode relaxar a dieta e comer o que quiser? Pode pular a academia por causa do frio? Dar um tempo na galinhagem e arranjar um namorado? Ou já pensar na próxima festa do calendário e continuar se preparando?

::: O assunto da semana é o novo vídeo de Lady Gaga, "Alejandro". Vai ficando cada vez mais difícil para ela causar impacto. O clipe é uma repetição de fórmulas; a música, com alguma reminiscência de Abba, Ace of Base e subprodutos teens do pop europeu, não tem pegada (e vai dar um trabalhão para os DJs remixarem, como observou o Daniel). Agora a cantora quer posar para a Playboy norte-americana: ela vê no ensaio uma "nova forma de expressão" e a possibilidade de "crescer como artista", fazendo algo inédito na história da revista. Se ela é a vanguarda em pessoa ou totalmente overrated, não sei. Mas lembro do recente fiasco que a Playboy daqui amargou quando uma mulher "de atitude" tentou fazer "algo inédito", e pergunto: quem pagaria para ver Lady Gaga nua?

::: E por falar em montação, a geração hipster promete baixar em peso no Lions, na sexta, para a terceira edição da festa carioca Buati (aquela em que tive que pagar R$8 por uma água, e dancei música velha de festinha de prédio). Essa não me pega mais, mas um outro projeto carioca - que ainda não chegou a São Paulo - chamou minha atenção. É a Bootie, uma festa só de mashups (aquelas colagens absurdas feitas com duas músicas nada-a-ver, gerando um resultado surpreendente). A segunda edição rola também na sexta, no simpático Fosfobox (Copa), e traz o DJ Faroff, um craque que cria pérolas como esta. O jornalista Ronald Villardo foi à estreia da festa e escreveu uma resenha ultraempolgada. Ele achou incrível que ali "os pagantes são tratados como VIPs", ou seja, quem paga ingresso entra primeiro. Ué, não deveria ser sempre assim?

::: Assinei a TV a cabo bem depois dos demais mortais, e com isso acabei não criando o hábito de acompanhar os seriados que a maioria dos meus amigos segue, comenta e compra. De todos eles, o que me despertava maior curiosidade é Sex And The City, indicado por 10 entre 10 amigos: "você tem que ver, são quatro mulheres mas é totalmente gay, somos nós retratados ali!". Até decidi não assistir aos filmes antes de conferir a série em DVD. Mas confesso que levei um tremendo banho de água fria quando li este texto, muito bem escrito pelo Diego. Será SATC mais uma referência gay à qual eu serei imune, depois do house tribal?

::: E o frrrrrio que está fazendo em São Paulo parece ter vindo para ficar. No fim de semana, a temperatura promete chegar a trincantes 7ºC. Com um tempo desses, só consigo pensar em programas light: dormir cedo, ver bons filmes (no cinema ou em casa) e, é claro, comer! Será uma boa oportunidade para postar aqui um roteiro com os restaurantes paulistanos que fui conhecer nos últimos meses. Outra ideia em pauta, sugerida por um leitor, é um miniguia só de cafés. Aguardem.

20 comentários:

Fernando disse...

Diego, sorry for what I will say now, mas... o post no blog do Diego foi... Diego demais.

Os filmes tem uma pegada bem diferente do que rolou na serie, principalmente nos primeiros anos (onde os dramas amorosos eram mais o centro do que o fashion dream). Carrie e louca? Totalmente (afinal aquela maluca me larga o Petrovsky em Paris pra bater cabeca com Mr.Big em NYC). Mas... quem nao e? O que acho legal da serie e finalmente nos redimir das culpas de nao sermos modelos perfeitos em questoes comportamentais. Na questao do estilo de vida, do fashion da coisa, realmente, aquilo e um mundo surreal, mais um sonho do "se fosse possivel" (eu torraria fortuna em Pradas, Hermes & Cia sem me preocupar com a conta do cartao).

Os filmes exploraram o filao fashion, rykah world da serie... Algumas nuances dos dramas ainda estao ali, das paranoias, dos questoes do que e o relacionamento moderno. Mas o principal da coisa eh o fashion.

E sinceramente, acho que assistir Sex and The City pede ler o livro da Candace Bushnell antes. O livro e pequeno, vende como pocket em muitas livrarias, e eu pessoalmente confesso que cresci muito no aspecto sentimental depois que eu li o livro. O livro e muito mais fiel ao que SATC se propoe, muito mais do que a serie em si.

Wans disse...

Eu gostava da série, mas detestei Carrie terminar com Mr. Bigg. Que porra é essa? É mulher de malandro, é?

Fim de semana vai ser bacaníssimo! Ficaremos em casa, sem fazer absolutamente nadinha e curtindo alguns filmes na tv. Mal posos esperar pela sexta-feira.

Daniel disse...

Lady Gaga é só um sintoma do nosso descrescente grau de exigência cultural. quanto mais raso, melhor.
em 2 anos, outra superdiva aparece e vão dizer "Gaga who?".

S.A.M disse...

Boa pergunta sobre a Gaga.

Bem adoro suas dicas aqui!

Abração!

P.S.: Tambem achei a parada legal - foi a que mais me diverti - e sem violencia!

dogmanstar disse...

mais um marco se foi..acabamos elegendo eles para tomar as deciões como a dieta que semre começa na segunda...daí vem o vazio e você elege uma outra data símbolo para fazer as coisas que devria ter feito há muito já...

guia de cafés, sim, sim!!

Lourival Lima Jr disse...

Passou a parada e tenho reparado o certo grau de desânimo por parte do pessoal. Há anos Sampa precise de algo novo. Mas quando digo algo novo, não me refiro a um novo clube somente, mais sim a algo inusitado, diferente, que traga de novo aquele frisson de querer sair de casa para dançar. Todos aguardam "the next big thing" mais do que nunca. Seria momento de apostar em uma festa mensal ou bimestral em algum lugar diferente?

Ah, Lady Gaga. Tenho uma relação de amor e ódio. Ela ousou, foi ótimo, mas parece que virou mais do mesmo. Sempre converso com um amigo e quando ele diz que "Lady Gaga é a nova Madonna" eu rebato dizendo que "ela precisa comer muito arroz e feijão ainda para chegar ao nível de Madonna". E a indústria da música nunca esteve tão afoita atrás de novos talentos, de alguém que estoure com uma canção que faça história (e venda muito, lógico). Fica muito mais difícil alguém se manter por um longo tempo. Confio mais em Beyoncé do que a Gaguinha.

"Sex And The City" foi um marco na história dos seriados. Roteiros bem escritos, situações de rolar de rir e as atrizes certas. Recomendo! Mas ninguém é obrigado a gostar de nada, mesmo que aquilo tenha alguma identificação com o mundo gay. Às vezes acho que os gays seguem uma padronização tão às cegas que perdem a oportunidade de ampliar seus horizontes.

Odeio tempo frio. Tira o ânimo até de ir até a esquina! E aguardo o roteiro dos cafés.

Ricardo disse...

Se é da Playboy da Fernanda Young que vc se refere, acho melhor repensar o que escreve. A revista foi a segunda mais vendida do ano. Fato afirmado pelo editor da revista. O ensaio estava muito bonito por sinal, vc viu? Bem diferente dos ensaios com BBBs e afins.

Introspective disse...

Ricardo: isso pode até ter sido dito pelo editor, mas a informação que circulou nos bastidores - e foi confirmada por jornaleiros - é bem diferente. Aliás, vários portais de notícia na época noticiaram que a revista encalhou, e a redação correu para desmentir, sem no entanto mostrar os números.

O que não tira os méritos do ensaio, que eu vi sim e achei bem honesto. Claro que o fato de eu não gostar de mulher favoreceu minha avaliação... ;)

Lucca Koch disse...

Mesmo sendo “música velha de festinha de prédio”, acho tão bacana a “falta de proposta” que o projeto possui. A vinda dessas festas como: bailinho, chá d´Alice e tantos outros nomes que muda apenas a cenografia mas rola a mesma música tem crescido todos os dias no Rio de Janeiro. Gosto dessa idéia de 100% que combina muito com a cidade (que não está muito querendo ouvir sets conceituais, quer ouvir aquela música lá lá pra dançar e só – raras exceções).

O preço da Buati é um tanto quanto salgadinho para todos os bolsos, um crime você pagar 12 reais numa cerveja (estamos falando de Rio de Janeiro). Porém, gosto da idéia, gosto da diversão e nesse caso não ligo por ser “música velha de festinha de prédio”...

Introspective disse...

Lucca Koch: Olá, vc estava sumido, hein? ;) Eles podem tocar música velha de festinha de prédio à vontade, tb acho isso bem-vindo e divertido! Desde que eles sejam efetivamente despretensiosos, o que não me pareceu ser o caso da festa!

Lucca Koch disse...

Sumido nada, passo aqui todo dia só não comento. Gosto muito dos seus comentários sempre pertinentes!!!

Mas é aquela velha história: “vamos fazer que somos despretensiosos e quem sabe o povo cai”... Até pq se houvesse a idéia de serem, eles nunca teriam ido tentar a vida num dos clubs mais “its” de São Paulo, onde projetos iguais aos deles existem em cada esquina...

Sabe igual produtor de sucessos? “Existe o nicho. Vamos atacar aquele mercado que está em alta”. Costumo dizer, é igual o Rick Bonadio: ele vê que aquela cena está crescendo e dando certo, chega ele bonitinho e coloca o sele dele.

Lucca Koch disse...

... e entrando fundo nesse tipo de festa... Alguns DJs da cena estão um tanto quanto desolados, pois aqui no Rio sabemos que o público vai no que está na moda. E o crescimento desse tipo de festa a cena eletrônica tem ficado bem desfalcada, uma boa pauta para ser discutida, mas como bem conheço não leva a nada!

Paulo Braccini disse...

formidável ... aguardando o roteiro de cafés ... já vou aproveitar em Julho qdo voltar por aí com a marida ...

bjux

;-)

Pepe disse...

Otimo Blog! :D

Parabens e abraço de Portugal

http://artmusicblog.blogspot.com/

Anônimo disse...

Vejo falar tanto em Lady Gaga, Madonna, Beyouncé...O que eu acho incrível é que as pessoas esquecem, ou não tem a informação que isso é uma indústria, dinheiro, gravadora por trás disso tudo. Elas têm talento, tem sim e muito, são como cães treinadas e ensaiadas a axaustão para brilhar no palco e arrancar baba do queixo do publico. Acha que grupos como N’Sync de onde saiu Justin Timberlake veio do nada? , garotos que se conheceram na rua e montaram uma boyband? , não claro que não, eles foram selecionados por pessoas do meio para virar uma mina de ouro e arrecadar milhões.
Gosto do trabalho de todos esses artistas, mas não são 100% sinceros, mais da metade das composições e arranjos dos discos são feitos por músicos contratado que fazem tudo, elas só vão lá e colocam a voz, algumas até muito mal colocada como Britney Spear que ao vivo recorrem ao playback assim como a endeusada rainha Madonna.

Rafa disse...

Sabe que eu gostei do vídeo? Tem aquela coisa do "já vi milhões de vezes", aquele sutiã-metralhadora-Madonna-sou-sua-fã totalmente dispensável, mas... A e a música é bem fraquinha, pensando bem não sei porque gostei, mas gostei (rs)
Boa dica das festinhas aqui. Quem sabe assim euvebnço o meu preconceito e finalmente conheço a Fosfo? Sempre acho que vou encontrar só multidões de pós-adolescentes... Gostei bastante da série, ainda não vi os filmes... Ah e no fro.. um bom vinho tinto e brigadeiro quente..humm
Adorei a dica dos lugares para o encontro do Rio! Vc tá super convidado. Bj

Endim Mawess disse...

é verdade mesmo sex and the city é o fime que as mulheres gostam e os gays adoram. meu gato me barrou de ver, vou esperar o dvd.

Guy Franco disse...

O assunto é Lady Gaga, por isso eu tenho que fingir que sei alguma coisa dela. O clipe me deixou bem gay, tive que fazer duas horas de leitura de Raymond Chandler pra perder a homossexualidade que ganhei vendo o clipe. E o assunto logo muda para Bafana Bafana.

Vaca Jersey disse...

Frio? Frio??? Fio... vem pra cá no RS sentir 3 graus e depois a gente conversa... hehehe!!!
Agora... me passa o endereço desse tal sobrado (seu comment no meu blog)... sabe como é dia 12 tá chegando e... hahahahahaha!!!!! Hugzão!
PS: Eu li no Gato algo sobre vc querer dar pra VJ... hihihihi!

Don Diego De La Vega disse...

Obrigado pela indicação do blog. :)

Mas queria q vc assistisse às temporadas das séries, pra ter sua opinião. Eu adoro todas e acho que os filmes perderam a fórmula de vez (acredito que seja pq as personagens todas casaram, algo q destruiu "A Gata e o Rato" lá pelos idos de 1985 por exemplo...)

Queria q vc visse Glee e True Blood tb.

Aqui no Rio tb anda frio....

beijos!