domingo, 6 de janeiro de 2008

O sobe-e-desce do réveillon carioca 2007

Foi um réveillon de contrastes. Os dias não poderiam ter sido mais leves: tempo maravilhoso (um milagre para a época), praias cheias, turistas felizes e alto astral em todo lugar. Isso sem falar naquele desfile de corpos dourados que é de enlouquecer (o Ministério da Saúde deveria advertir: o Rio de Janeiro provoca torcicolos). Já as noites foram surpreendentemente pesadas, com lotação além da conta, excesso de colocón e som nem sempre bom - isso sem falar nos furtos. Ao mesmo tempo em que se profissionaliza, o circuitão carioca, que já nos deu noites inesquecíveis, parece estar perdendo uma parte do encanto e do astral de antigamente. Uma pena.

UAU:

1) O VERÃO QUE A GENTE MERECE. Enquanto o réveillon passado teve chuva ininterrupta por quinze dias (e deixou os turistas estrangeiros tiriricas de raiva), desta vez o Rio foi agraciado com dias de sonho: céu de brigadeiro, sem uma nuvem sequer, e um solzão ardido que embelezava os pontos turísticos e mergulhava no mar como uma bola de fogo - um espetáculo que não devia nada aos famosos sunsets de Ibiza, e ainda com direito a aplausos na praia. E mais: em meus oito verões na cidade, eu nunca tinha visto a água tão gostosa e calma para nadar - nem sinal daquele mar gelado e revolto que puxava os banhistas de Ipanema para o fundo e os tragava numa furiosa arrebentação.

2) THE WEEK: OS MELHORES CORPOS. Com apenas seis meses de idade e vivendo seu primeiro verão, a filial carioca do maior clube gay do país já se consagrou como o endereço definitivo dos corpos mais bonitos da cidade, desbancando o posto que, por muito tempo, foi ocupado pela festa X-Demente. A concorrência luta pelo seu espaço, contrata DJs gringos e investe em locações bem mais interessantes, mas nada disso impede o clube de André Almada de bombar sistematicamente em todas as noites (às vezes, até demais). O apreço dos fãs é tanto que eles não deixam de ir à casa nem quando há alguma outra grande festa: não foram poucos os que prestigiaram a R.Evolution nos dias 29 e 31 e, mesmo assim, foram terminar sua noite na TW.

3) ROSANE: A MELHOR VIBE. Com a The Week estabelecendo um novo padrão de qualidade na noite carioca, as festas de Rosane Amaral de repente já não parecem tão bem feitas - e soluções caseiras como usar chuveiro de vestiário como mictório ficam ainda mais toscas. Ainda assim, a produtora tem como trunfo a beleza de suas locações - especialmente o Clube de Remo do Flamengo, à beira da Lagoa, com um visual tão lindo que até compensou a produção com cara de quermesse e o tribal jurássico dos DJs escalados. Além disso, talvez até mesmo por serem ao ar livre, suas festas têm uma vibe muito mais leve e feliz: as pessoas conversam umas com as outras e parecem realmente se divertir. Com todos esses ingredientes (e mais o carinho de seus seguidores), Rosane não deixou de fazer festas bastante movimentadas - sendo que sua Original Pool Party, no dia 1º, foi a mais gostosa de toda a temporada (mesmo enfrentando a concorrência de outra day party abarrotada na TW).

4) RIO G SPA. Finalmente alguém teve a iniciativa de abrir algo que fazia muita falta no Rio: um lugar prático e seguro onde você pode ir transar com aquele gostosão que acabou de conhecer na praia de Ipanema, sem os riscos de trazer um desconhecido para o hotel ou a casa dos seus anfitriões cariocas. Novinho e limpinho, o Rio G Spa tem saunas seca e a vapor, café, internet, tratamentos de beleza e um bom número de cabines, muito melhores que as da sauna 64 (que vai perder os clientes se não investir em reformas rapidinho). O melhor: você pode pedir uma pulseira e voltar quantas vezes quiser no mesmo dia - ideal para os que estão com o diabo no corpo, ou mesmo para aproveitar e fazer uma sauninha e tomar um bom banho depois da praia.

5) O PROJETO FASE E O NOVO CLUBE 69. Com o gongo da festa de réveillon Hotel Carnival, a Fase, projeto conjunto do clã da Moo e dos clubes D-Edge e Vegas (SP), foi o que fez valer o fim de ano dos modernos no Rio. Com uma linda fachada, espaço para dançar em vários andares, bares e banheiros eficientes e uma simpática parede de leds atrás do DJ, as Casas Franklin bombaram até as nove da manhã - e todo mundo que foi saiu satisfeito, seja pelo som, seja pela qualidade do público. Outro destaque da temporada é o 69, novo clubinho eletrônico de Ipanema. Muti Randolph agora inventou uma pista iluminada por um painel de persianas gigantes, que recebem grafismos coloridos emitidos por um retroprojetor e refletidos em um espelho. Simples, barato e muito cool. O clube acertou a mão em tudo: tem o tamanho certo, o clima ideal para festinhas de house e um DNA genuinamente carioca (não, não é um clone do nosso D-Edge).

UÓ:

1) SER ROUBADO NA THE WEEK. Sempre vi a The Week como um clube "de Primeiro Mundo" e confesso que, na época em que circulavam rumores sobre roubos, furtos e extorsões na matriz paulistana, cheguei a pensar que tudo não passava de intriga da oposição. Tanto que mencionei o fator "segurança" ao destacar a TW como uma das melhores opções para o réveillon do Rio. Pois bem, paguei minha língua: levaram exatos R$150 do meu bolso. Eu adoraria ter meu prejuízo ressarcido, mas gostaria mais ainda de saber, um dia, que a casa voltou a ser um clube seguro e recomendável. O incidente foi um grande balde de água fria no meu fim de ano e, confesso, me deixou com um certo bode de voltar na casa do Rio.

2) O ENTERRO DA X-DEMENTE. A X-Demente foi um divisor de águas na minha vida. Foi lá que comecei a ter interesse por música eletrônica e acabei aprendendo a enxergar a noite gay de uma maneira completamente diferente. Um novo mundo se descortinava diante dos meus olhos. Na Fundição Progresso, vivi momentos que me marcaram e vão ficar pra sempre na minha memória: tenho um enorme carinho pelo lugar e pela festa. Por tudo isso, foi com um certo pesar que eu constatei: a X-Demente passou. Depois do sopro de vida na Parada Gay de SP, a produção voltou a dormir no ponto, demorou horrores para bolar tudo e, quando soltou as informações, ninguém mais estava interessado: a festa foi olimpicamente ignorada. Para descobrir alguém que tivesse ido à X e saber como foi, tive que perguntar para o amigo do amigo do amigo.

3) CHRIS COX @ COSMOPOLITAN. Sei que alguns vão discordar: muitos consideraram esta a melhor noite da temporada de réveillon. Saio de casa decidido a me divertir (e não botar defeito em tudo), mas desta vez realmente não consegui. A The Week estava insuportavelmente lotada, tanto que foi obrigada a liberar a circulação na área vip (mas depois, de uma hora para outra, voltou a proibir; com isso, quem estava com os amigos e foi dar uma volta não pôde mais reencontrá-los). O som do Chris Cox era muito chato (não entendi o hype em cima do fofucho). A iluminação excessivamente escura em todos os ambientes e a falta de uma área externa que desse uma aliviada no clima (como em São Paulo) deixaram tudo ainda mais deprê. Enfim, nada a ver com tantas festas bonitas que a The Week já fez em seus mais de três anos.

4) O GONGO DA HOTEL CARNIVAL. Os moradores de Santa Teresa bateram o pé, fizeram abaixo-assinado, chamaram a polícia e a prefeitura e conseguiram impedir a festa que prometia ser o melhor réveillon moderno de todos os tempos. Foi um verdadeiro anti-clímax para algo que estava sendo preparado com carinho e prometia reunir só as pessoas mais legais. Pelo visto não é só em São Paulo que a música eletrônica e a diversão são malvistas por certas camadas da sociedade. E olha que dessa vez nem era uma "festa rave"...

5) O DE SEMPRE. A cidade fica superlotada, com trânsito caótico em todas as principais vias de circulação da Zona Sul, a qualquer hora do dia. Para quem vem de carro, estacionar é desesperador: não há vagas, nem estacionamentos, e quem vai para Ipanema ou Copacabana pode ter que parar o carro em Botafogo e ir de táxi. Os cariocas aumentam artificialmente os preços de tudo para explorar os turistas - o quilo Frontera, por exemplo, passou a cobrar inacreditáveis R$59,90/kg só porque era fim de ano. Isso sem falar que a multidão de banhistas deixa tanto lixo na praia que chega uma hora em que você fica com nojo de pisar na areia. Não tem jeito, todo ano é assim - mas a gente sabe, e não consegue deixar de voltar.

16 comentários:

Vítor disse...

Pra variar alguns comentários, rs:

1) A informação que foi passada é de que a tal Hotel Carnival não foi embargada ou algo que o valha. Os produtores simplesmente cancelaram a festa porque houve reclamações dos vizinhos, com direito a abaixo-assinado e outras artimanhas que qualquer turma de primário sabe fazer. Eu achei um grande amadorismo e descaso da organização, mas OK... O que importa é que a Duo do 69 estava ótima e com um bando de gente bonita e bronzeada, haha.

2) Quanto ao caos urbano, eu não poderia concordar mais. Nada contra nenhuma leva específica de turistas (mentira, tem sim!:), mas odeio a cidade em época de Réveillon ou Carnaval. Tudo fica insuportavelmente cheio, bagunçado e cafona. A cidade já não é um primor de organização e fica beeem pior. Gosto mais dessa parte do verão que começa agora.

3) Quanto à X, acho que foi mesmo o fim... Dá pena, mas não é mais a festa que eu freqüentei trocentas vezes.

4) Moo -> é tipo pizza: mesmo quando é ruim, é bom.

5) 69 -> apesar do nome ser de 5ª, o clube é ótimo. Meu novo lugar preferido.

6) TW -> Acho o clube lindo e espaçoso, mas não tenho saco para ir nessas épocas. Fica lotado, dramático e uma função só. Vou deixar pra ir no próximo sábado. Tenho certeza que estará bem mais interessante, inclusive no que diz respeito à freqüência. Quanto ao furto, acho que é muito válido o aviso. Segurança não está em clube apenas pra fiscalizar a colocação alheia ou quantas pessoas entram numa cabine. Evitar furtos me parece bem mais primordial.

7) Votos -> voltar ao Rio nos próximos fds, sem ser o do Carnaval, claro, pois a cidade fica beeeeem melhor.

Bjs!

OBS: Depois do mega-comentário, cogito abrir um blog, haha.

Anônimo disse...

vc não falou dos alibans no banheiro!

Ivo disse...

Dear, sobre a TW: nem aqui em SP ela é tranqüila. Isso pra não dizer que desde muito tempo ela já deixou de ser segura. Eu mesmo fui furtado numa das festas da Parada em 2006, e não parei de ouvir histórias semelhantes de amigos e conhecidos ao longo do tempo. O problema é: será que a segurança de fato é focada no que se espera dela, ou se limita a perseguir e extorquir os habitués (como não só já ouvi falar de conhecidos, mas também presenciei). No mais, adoro seu blog!

Beijos!

Tony Goes disse...

Você tá com mágoa de caboclo porque beijou pouca gente, jajaja

Clebs disse...

Realmente o Rio fica absurdamente insuportável no verão, mas amamos assim mesmo!

Até o carnaval será assim, cheio, calor, tudo caro... Ser carioca mesmo, somente em Abril, quiçá Março!

Eu acho a TW maravilhosa e muitos amigos de SP concordaram que ficou bem melhor agora, ainda sim, não supera e nunca irá superar a TWSP.

Furtos são normais em qualquer lugar mega lotado, seja na TW, na X, na quadra da Unidos do Whatever, na Parada Gay de Piraporinha ou na festa de Nossa Senhora....não tem jeito! Olho vivo sempre e bolsos com ziper e cadiado! hehehehe

Abração!

alevitta disse...

Olá Thiago, parabéns pelo post.
Só ficou de fora a extorsão dentro e fora das pistas, no caminho ou saída dos clubes.
Adoro o Rio , mas cansei.Por essas e outras que no carnaval haverá uma verdadeira debandada para o sul. Conversa de todas as rodas é que todos vão pra Floripa!
Nossa turma vai em peso! Feliz 2008 pra vc!

Anônimo disse...

Nem confiança para Florianópolis. Lugar de amadores e aposentados. Rio sempre Rio.

Gui disse...

Gato, tudo vale a pena, ne? Apesar dos pesares, a gente ri e se diverte.
Aliás, temos que marcar uam jogação juntos a noite toda. Aquele dia nao valeu (mas olha que foi divertido e os meninos te adoraram!).

E a gente ja se prepara pra proxima temporada. Adoro.

---
Ai, de novo esse papo RioxFLP. Essas bees não aprendem: ano passado deu no que deu.

Vão pra onde o vento levar e se joguem. Depois eu só quero saber dos baphos e ver as fotos!

Anônimo disse...

BOM QUERO DEIXAR CLARO QUE AMO O RIO E OS CARIOCAS TB, MAS A SUJEIRA DA PRAIA ME INCOMODA E ME INCOMODA MAIS AINDA QUE O CARIOCA E O PRIMEIRO A DAR MAL EXEMPLO..NESSE ASPECTO SAO MUITO MAL-EDUCADOS, SE VC FOR A BUZIOS(QUE É POVOADO PELOS CHATOS ARGENTINOS) A PRAIA E LIMPISSIMA E VC JOGAR ALGO NA PRAIA OU AMEANÇAR OS PROPRIOS VENDEDORES SE OFERECER PARA POR NO LIXO SEU CANUDINHO OU ALGO ASSIM...DEMAIS DE BOM!!! AGORA O CARNAVAL NO RIO É MELHOR DO QUE O DE FLORIPA..SEM DUVIDAS, A COMEÇAR PELOS GAYS- OS DO RIO SAO AFIM DE FESTAR E SE JOGAM,OS DE FLORIPA UM CARAO SEM FIM, SOU UM CARA BONITO E TIVE QUE FICAR ATURANDO CARAO DE UMAS COISINHAS EM FINAL DE NOITE- morri- DEVERAS PROVINCIANO, ELAS FICAM ESPERANDO UM PRINCIPE EM CAVALO BRANCO AS 04 DA MATINA DENTRO DE BOATE E NO CARNAVAL-POUPE-ME_ PLEASE!!!! BEIJOS E ADORO SEU BLOG (OBRIGADO PELAS DICAS DE BUENO AIRES-ELES SAO CHATOS, MAIS LINDOS)

Estefanio disse...

Queridão, adorei te conhecer nessa temporada, quando voltar ao Rio vamos fazer aquele programinha pela Zona Norte tá?
Mas confesso que já cansei do Reveilão, já to de olho mesmo no carnaval!

Vítor disse...

Opa, Búzios fica cheio de Argentinos, claro, mas é um "cheio" relativo. Obviamente, o que mais se encontra por lá são cariocas.

A diferença gritante é que os cariocas que vão para Búzios são, em sua maioria, de um nível melhor; ao contrário daquela favelada que fica no Rio sujando as praias. Colocar todo carioca na mesma bacia é complicado. A cidade tem 6 milhões de habitantes - de todos os tipos possíveis.

André F. disse...

Não tem turista nas praias cariocas? TODOS são cariocas são eles que exclusivamente sujam as praias? Sei não, viu... Já vi muuuuuuuito turista fazendo sujeira nas areias. Mas a culpa é sempre de quem.....

Anônimo disse...

ANDRE ACONTECE QUE O CARIOCA DA MAL EXEMPLO, SE VC MORA NA CIDADE TEM QUE DAR EXEMPLO DE CIVILIDADE, EXPERIENTA JOGAR PAPEL NO CHAO EM CURITIBA, AS PESSOAS VAO TE OLHAR TORTO OU ATE CHAMAR ATENÇAO..VI UMA CENA OTIMA, UM RAPAZ JOGOU PAPEL NO CHAO E UM VELHINHO TODO GENTIL PERGUNTOU VC NAO É DAQUI, NAO É?, ELE DISSE NAO..AI O SENHOR ABAIXOU, PEGOU O PAPEL E JOGOU NO LIXO E TODOS QUE ESTAVAM EM VOLTA APROVARAM...UM ABRAÇO (JA MOREI NO RIO E AMO A CIDADE, MAS MORAVA NA ZONA SUL E VI GENTE COM DINHEIRO JOGANDO LIXO NA RUA, NA PRAIA, ENTAO NAO TEM QUE FICAR CULPANDO SO A CAMADA MAIS POBRE, EX. COMO DIGO VEM DE CIMA)

Anônimo disse...

ESCREVI ERRRADO É MAU COM U E NAO COM L..SORRY

Anônimo disse...

to passado com o que li no site do cenacarioca. vale ser repetido (especialmente que voce tbm foi furtado).

MOMENTO UÓ DA TEMPORADA: policiais a paisana dentro da The Week, instalados no banheiro e outras áreas, dando dura nas pessoas do nada, dentro das cabines, "aliviando" (extorquindo) e causando o maior constrangimentos em amigos e desconhecidos. Cuidado! Enquanto isso, outro momento uó: um bando de gente sendo furtada dentro da boate, enquanto se diverte. Não pode!!! // Feliz 2008... (AG)

Anônimo disse...

Vcs todos são gays?! :x
São tããããããooooooooo gatinhos... ^^