sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Rapidinhas cariocas

Como fiquei no Rio de 26 a 30 de dezembro, peguei dias de muito sol e um praião fantástico, e consegui dar um "up" no meu tom dourado alagoano. Aliás, eu nunca consegui entender: por que o Rio de Janeiro é sempre muito mais quente do que o Nordeste, se está mais longe da linha do Equador? Em época de balanços e melhores-do-ano, concluo que a música que deu a cara do Rio em 2009 (pelo menos pra mim) foi "Hush Hush", das Pussycat Dolls. O metrô da cidade está um desastre! A nova estação General Osório (prometida há 11 anos) ficou bonita, mas o trem chega a demorar quinze minutos para passar, e não há um único banco na plataforma inteira para os usuários sentarem e esperarem! A muvuca logo se acumula e as composições partem abarrotadas. Se em verões anteriores o balneário parecia ter virado destino dos gringos mais bagaceiros, de 2008 pra cá um público bem bacana tem flanado pela Zona Sul. Dos hotéis trendy aos albergues-carandiru, muita gente linda na pista pra negócio. Bem bacana a nova edição limitada das Havaianas - branca, com estampa de várias fitinhas coloridas à la Bonfim, representando os desejos de ano novo - à venda por R$32 na loja própria da marca na Farme, quase em frente ao Bofetada. O tal "choque de ordem" imposto pelo prefeito Eduardo Paes para disciplinar a vida na praia desagradou muita gente. Cada barraca agora só pode oferecer 80 cadeiras - ou seja, chegue muito cedo, ou passe nas Lojas Americanas e compre a sua. O comércio ambulante foi drasticamente reduzido, e proibiram aqueles latões de mate que eram verdadeiros ícones da praia carioca. O lado bom: os folgados que distribuíam boladas nos banhistas agora só podem mais jogar frescobol e "altinho" na beira da água após as 17h. Depois de uma era em que o must era ser o mais bombado possível, a palavra de ordem deixa de ser volume e passa a ser definição. O músculo ainda impera, mas corpo inchado virou cafona: quanto mais seco e rasgado, melhor. A minha descoberta nessa viagem foi o Meza Bar, na Capitão Salomão com a Visconde Silva (ali onde era o Madame Vidal, no Humaitá). Delícia de lugar pra ir com os amigos: aconchegante e escurinho na medida, música perfeita, público bacanudo e sem afetações, comidas sofisticadas e criativas, que chegam à mesa em potinhos. Tudo de bom! Outra delícia, essa já tradicional, é assistir ao vaivém de Ipanema tomando um sorvetinho mara sentado no pequeno deck da Mil Frutas. Para quem gosta de sabores cremosos e doces, uma trinca matadora: o novo beijinho e os clássicos chocolate branco com maracujá e queijo com doce de leite. Hummm! Mais dicas de comidinhas cariocas em breve: vou postar uma versão revista e atualizada do meu roteiro gastronômico do Rio, que publiquei aqui em 2006. Sobre as festas: como voltei pra SP no dia 30, não peguei as festonas da cena barbie (eu soube que a Maxima e a R.Evolution agradaram). Mas fui conferir a edição de 5 anos da Moo, na varanda do Museu de Arte Moderna. Locação desbundante, público desencanado e bonito e música entre electro e disco house, criando um clima superfofinho. Tive minha última dose de cafuçus do ano, no quartel-general-nagô do Rio de Janeiro, o Buraco da Lacraia, que nunca decepciona e estava simplesmente bafônico. E por falar em cafuçus, já começou a votação para o Mulato do Góis 2010, concurso do jornal O Globo que elege o mais bonito entre um dream team de sambistas das escolas do Grupo Especial. Escolha o seu favorito aqui. Não tem jeito: entra ano e sai ano, com sol ou com chuva, com todas as virtudes e defeitos, a Cidade Maravilhosa continua me deixando amarradão! Se meu amor é por São Paulo, minha paixão é pelo Rio! Um beijo e feliz 2010 para os meus amigos e leitores cariocas! [Foto: Eugene Zhukovsky]

17 comentários:

Daniel disse...

E numa mesma foto você tem favela e o IPTU mais caro do Rio de Janeiro.

Eu, como bom carioca ixxxperto da zona norte, ando com barraca de praia e cadeira na mala do carro, um comportamento que o povo da zona sul não adota para pagar de descolado. Eu, ficar na areia? Never! #MilanesaFeelings

Ernesto A N Polotto disse...

Essa foto ficou maravilhosa lindinho....
Feliz ano para voce!
Beijocas interioranas!!!
Eu

Fernando disse...

Mwah! Ipanema que me espere. Duas semanas e estarei lá, pronto para sair desse tom de pele nude bleached que eu estou agora. :D

Mas to querendo cometer harakiri depois de saber que nao vou encontrar galoes de mate gelado na praia. Nunca consegui atingir aquele gostinho (de nao quero nem saber o que) com mate feito em casa. :(

Adorei o post. (Viu só, comentei, caramba!).

André Machado disse...

Precisa ir ao oui oui (melhor reservar antes. está sempre muito cheio) e ao bar trapézio, ao lado do meza. Um outro muito legal é o Mok Sake Bar. Super criativos.

João disse...

Tb sou fã do Rio, desde pequeno, digo eu, não o Rio! E nesse verão dou pinta por lá antes do carnaval. Beijos e um ótimo 2010!

Rodrigo disse...

A questão do calor do Rio é a umidade da região que joga a sensação térmica lá para cima. Estou morando em Porto Velho, com uma temperatura média de 24 graus, dois acima da minha Brasília, mas a sensação térmica é de eternos 900ºC,pois a cidade é literalmente uma panela de vapor no meio da Iléia Amazônica.
Feliz 2010.

Luca Lourinho disse...

Feliz Ano Novo!
O Rio continua lindissimo "cara",...friozinho aqui em Roma!Adorei o post e espero ler logo logo mais uma guia maravilhosa do Introspective sobre o Rio. Em relaçao ao "Baixo Humaità",acho que virou point mesmo, vou conferir quando eu estiver na cidade maravilhosa no final de Janeiro.

http://vejabrasil.abril.com.br/rio-de-janeiro/editorial/m1024/novos-sabore-s-no-humaita

Em relaçao ao mulato do Gois, meu voto vai com certeza a Demilson Silva da Grande Rio...a foto n.4 de sungao vermelho me deixou tipo "CHO-QUEI!"

beto disse...

* o rio nao tem a brisa constante do nordeste... ai o calor piora...
* sobre o choque de ordem: nao da pra fazer um omelete sem quebrar os ovos, sempre vai desagradar alguem... achei melhor a praia assim; talvez se pudesse rever o numero de cadeiras por barraca, mas tem que ter um limite pra praia nao ficar intrasitavel...
* e todo mundo ainda pode levar a sua propria cadeira (ou toalha, como sempre se fez na minha infancia carioca longinqua!)
* e nao se esqueca do fator magoa de caboclo: a Zona Sul do Rio votou em peso contra o atual prefeito e vai criticar TUDO que ele fizer...
* tb adorei as havaianas versao natal, mas que nao sao excessivamente natalinas.. na Teodoro ja tinha antes do Natal!
* pois os gringos bagaceira sao a versao europeia dos seus tao amados cafucus heheheh
* todo ano se fala que o visual barbie saiu de moda... mas continua bombando nas preferencias de muitos e muitos gays (trocadilho inevitavel)

Introspective disse...

Daniel: Mas trazer a cadeira de casa é inviável no meu caso, certo? O máximo que faço é trazer uma canga na mala...

Ernesto A N Polotto: Obrigado, fofucho! Mas a foto não é minha, é de um amigo meu do Flickr... eu inclusive dei o crédito a ele no final do post.

Fernando: Comentou mesmo! Resolução de ano novo? Hehehe. E esse seu tom nude tá super na moda por aqui... mas nas roupas, não no corpo!

André Machado: Em relação ao Oui Oui, até pensei em ir pois gosto do Miam Miam, que é dos mesmos donos, mas meus amigos que foram disseram que não é tão bom quanto o primeiro. Eles não gostaram da sistemática das pequenas porções... Quanto ao Trapézio e Mok, anotadíssimos! Valeu pelas dicas! Adoro leitores que acrescentam ;)

João: Você pequeno devia ser o capeta, né? Beijos pra vc e pros braus da fédéração!

Rodrigo: Nossa, imagino q trocar Brasília por PV deve ter sido um choque para vc! Como é o fervo por aí?

Luca Lourinho: Feliz Ano Novo! E pelo visto a Grande Rio está se confirmando como um celeiro de cafuçus de primeira, não? De repente até vale ir até lá dar uma conferida nos ensaios...

Beto: Acho que não fui claro no texto. Eu não disse que o desejo agora não é mais ser sarado - au contraire! O que percebi é que as próprias barbies estão investindo mais em definição do que em volume. Elas deixaram de buscar crescer indefinidamente e passaram a tentar desenhar melhor o corpo (especialmente o abdome!). Mas o músculo ainda é o motor do mundo gay, disso não tenho a menor dúvida.

Luca Lourinho disse...

*Vou ter saudades daquela anarquia tipicamente carioca na praia de Ipanema...as barracas com o nome dos donos impressos e as bandeiras...mas entendo que o prefeito Paes queira acabar com aquele exagero de bagunça dos ultimos anos
______________________

http://vejabrasil.abril.com.br/blog/de-origem-carioca/2009/12/retrospectiva-2009/
mais um link da Veja sobre o que mudou na cena culinaria carioca em 2009
______________________
Falando em comida eu adoro aquela japonesa no Rio e sempre vou ao Sushi Leblon (e os Konistore tbm!). Li sobre o Yume^, o japa do Jardim Botanico com chao de vidro(que parece BEM bacana)? Ops...a Madonna tbm adorou os dois :-)

*A favela Pavao-Pavaozinho agora esta' liberada ("unidade pacificadora" UPP)...serà que da' pra subir o morro sem "problemas" ate' para gringos como eu. E' o unico lugar do Rio que tem vista de Copa e Ipanema (e da Lagoa tbm), nossa eu adoraria, quem sabe eles vao instalar ate' uma bUate gls rss :-)

Anônimo disse...

A latitude é apenas um fator que influencia na temperatura.....
Geografia também é relevante, ok?

Luca Lourinho disse...

O Rio é perfeito...

Rodrigo disse...

Thiago,
Aqui em PV, homossexuais classe média são HsH. Homofobia interiorizada bomba aqui. Mas existe um comportamente esquisito: os assumidos vivem vida de bolacha: casam, adotam um cachorro e fazem jardinagem. A boîte LGBT é bem mista e destinada a Classe C, D, E. Lady Gaga não tem vez em terras de tupinambá! O que "elas" querem mesmo é Joelma misturada com toada!
É uma experiência antropológica.

Anônimo disse...

Where is PV????

What is HsH??????????

Introspective disse...

Anônimo acima: o comentário do Rodrigo foi uma resposta a um comentário que deixei no blog dele. "PV" é Porto Velho, capital de Rondônia, onde o rapaz mora. E "HsH" quer dizer "homens que fazem sexo com homens", uma classificação meio estranha, usada especialmente por profissionais da saúde, para designar homens que mantém atv sexuais com outros homens, mas sem se considerarem gays, sem aderir a referências da cultura gay. Vou explorar mais esse assunto num futuro post.

Estefanio disse...

Ainda sobre os bofes vc percebeu que no Rio os pele-de-golfinho tão perdendo espaço pros hairy e com barba? Obrigado senhor, minhas preces foram ouvidas!

Leandro K. disse...

Ahmmmmm
Verificarei tudo isso a partir de sexta! =D

Mas o calor do Rio anda realmente insuportável!